Medprev
Saúde mental

Transtorno de ansiedade generalizada (TAG): o que é, sintomas e tratamento

Revisado pela Equipe de Redação da Medprev

transtorno-de-ansiedade-generalizada-tag-o-que-e-sintomas-e-tratamento.png

A ansiedade é uma emoção natural e necessária para a sobrevivência humana, mas quando ela se torna crônica e excessiva, pode evoluir para o transtorno de ansiedade generalizada (TAG).

Neste texto, aprenda mais sobre o Transtorno de ansiedade generalizada (TAG): o que é, sintomas e tratamento!

O que é Transtorno de Ansiedade Generalizada?

O transtorno de ansiedade generalizada, conhecido como TAG, é uma condição psiquiátrica caracterizada pela presença de preocupação excessiva ou expectativa apreensiva que persiste por pelo menos seis meses e é de difícil controle.

É importante destacar que a ansiedade é uma resposta natural do organismo ao estresse e perigos potenciais, mas no TAG, essa resposta se torna crônica e fora de controle.

As preocupações constantes no TAG não são limitadas a um único evento ou situação, mas abrangem uma ampla gama de aspectos, incluindo saúde, trabalho, relacionamentos e até mesmo eventos futuros.

A ansiedade generalizada é caracterizada pela preocupação constante e difusa, em contraste com outros tipos de ansiedade.

Embora haja sobreposição de sintomas entre diferentes transtornos ansiosos, o TAG se destaca pela preocupação por um longo período, não estando vinculada necessariamente a um evento específico.

Sintomas de Transtorno de Ansiedade Generalizada

O Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) é uma condição que se manifesta de diferentes maneiras em cada indivíduo, variando em intensidade e gravidade.

Os sintomas associados a esse transtorno podem ser abrangentes. Confira alguns dos principais a seguir.

1. Preocupação excessiva e constante

Os indivíduos com TAG vivenciam uma preocupação constante, muitas vezes com duração de pelo menos seis meses.

Essa inquietação pode se concentrar em diversas áreas da vida, como doenças graves, mesmo na ausência de sintomas concretos.

Indivíduos com TAG podem realizar exames médicos frequentes, buscar repetidamente informações sobre sintomas ou doenças e temer o pior diagnóstico possível, o que também pode desencadear um comportamento que se assemelha à hipocondria.

Outro exemplo de como esse sintoma se manifesta é em relação às preocupações constantes sobre dinheiro, dívidas, despesas futuras e a capacidade de atender às obrigações financeiras.

Isso pode levar a uma supervisão excessiva das finanças e uma tendência a evitar gastos, mesmo quando necessário.

Os indivíduos com TAG também podem ser preocupar com o desempenho no trabalho, como o medo de cometer erros, de ser demitido ou de não atender às expectativas.

Isso pode resultar em uma busca obsessiva pela perfeição e um estado constante de tensão no ambiente de trabalho, o que pode desencadear ao longo do tempo a síndrome de burnout.

2. Inquietação e tensão muscular crônica

As pessoas com TAG podem sentir-se inquietas, nervosas e tensas na maior parte do tempo.

Esse sintoma pode se manifestar como tensão muscular crônica, causando dores, desconforto físico e até mesmo cãibras.

Os músculos ficam constantemente contraídos, o que pode resultar em dores nas costas, no pescoço ou em outras áreas do corpo.

3. Irritabilidade frequente

Pequenas frustrações ou problemas cotidianos podem desencadear reações emocionais exageradas em pessoas com TAG quando comparadas com outras pessoas, inclusive irritabilidade frequente.

Além de causar um desgaste emocional no indivíduo ansioso, esse sintoma pode afetar as relações pessoais e profissionais.

4. Dificuldade em se concentrar

Em pessoas com TAG, a ansiedade constante pode dificultar a capacidade de se concentrar em tarefas ou atividades.

Por essa razão, o indivíduo ansioso pode permanecer distraído devido aos pensamentos relacionados à ansiedade, o que torna difícil concluir tarefas ou manter o foco.

5. Fadiga persistente

A ansiedade crônica pode levar a uma fadiga persistente, seja mentalmente e fisicamente.

Isso ocorre porque a ansiedade mantém o corpo em estado de alerta constante, o que causa um esgotamento que persiste ao longo do tempo.

6. Problemas de sono

Muitas pessoas com TAG podem manifestar a ansiedade noturna por um período prolongado, o que pode afetar desde a capacidade de adormecer até manter-se dormindo.

A ansiedade pode tornar a mente agitada, dificultando o relaxamento necessário para o sono, causando também o despertar ao longo da noite ou antes do horário previsto e agitação nesse período (como ter muitos pesadelos, por exemplo).

Sintomas Físicos

O TAG também pode se manifestar através de uma série de sintomas físicos, como:

  • Palpitações - sensação de batimentos cardíacos acelerados;
  • Falta de ar - sensação de sufocamento ou dificuldade em respirar;
  • Taquicardia - aumento da frequência cardíaca;
  • Aumento da pressão arterial - pressão arterial elevada;
  • Sudorese excessiva - suor em excesso, especialmente nas mãos e na testa;
  • Dor de cabeça - cefaleias (dores de cabeça) frequentes devido à tensão muscular;
  • Alterações nos hábitos intestinais - podem ocorrer diarreia ou constipação relacionadas à ansiedade;
  • Náuseas - sentimento de enjoo;
  • Aperto no peito - sensação de aperto ou pressão no peito;
  • Dores Musculares - tensão muscular crônica que pode causar dores musculares em várias partes do corpo.

Os sintomas do TAG podem ser debilitantes e interferir significativamente nas atividades diárias, como o desempenho no trabalho, as interações sociais e o bem-estar geral do indivíduo.

É importante ressaltar que o TAG é uma condição tratável e a busca por ajuda profissional, como a de um psicólogo e de um psiquiatra, é fundamental para controlar os sintomas e recuperar a qualidade de vida.

Causas do Transtorno de Ansiedade Generalizada

O TAG pode afetar pessoas de todas as idades, desde o nascimento até a velhice, sendo mais comum em mulheres do que em homens.

As causas do transtorno de ansiedade generalizada são uma combinação de fatores genéticos, biológicos, ambientais e psicossociais.

Porém, alguns fatores de risco pode contribuir para o desenvolvimento do transtorno, como:

  • Genética - pessoas com histórico familiar de transtornos de ansiedade têm maior probabilidade de desenvolver TAG;
  • Disfunção cerebral - alterações na química cerebral, como desequilíbrios nos neurotransmissores, podem contribuir para o TAG;
  • Estresse crônico - eventos traumáticos ou estressantes ao longo da vida podem aumentar o risco de desenvolver a ansiedade generalizada.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico do TAG envolve a avaliação clínica por um profissional de saúde mental como o psiquiatra e o psicólogo.

Devido à possíbilidade de outros aspectos estarem relacionados aos sintomas, é essencial que o médico realize um exame físico e avalie se as queixas apresentadas pelo paciente não são causadas por uma outra condição médica ou pelo uso de substâncias, por exemplo.

Apesar de não haver cura definitiva, o tratamento adequado pode reduzir significativamente os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

O tratamento do TAG geralmente envolve uma abordagem multidisciplinar que combina terapia psicológica, medicamentos e mudanças no estilo de vida.

Terapia cognitivo-comportamental (TCC)

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é uma forma de terapia amplamente utilizada para tratar o transtorno de ansiedade generalizada (TAG).

Ela ajuda os pacientes a identificar e modificar pensamentos negativos e comportamentos relacionados à ansiedade.

Com o apoio psicológico, os pacientes podem aprender a gerenciar suas preocupações e a enfrentar situações temidas gradualmente, promovendo uma mudança positiva em seu estado emocional e mental.

Medicamentos

Os medicamentos desempenham um papel importante no tratamento do TAG, especialmente quando os sintomas são graves.

Os antidepressivos e os ansiolíticos podem ser prescritos por um profissional de saúde mental de acordo com a necessidade do paciente.

No entanto, é importante ressaltar que esses medicamentos podem ter efeitos colaterais e não são adequados para todos os pacientes.

Portanto, o uso de medicamentos deve ser cuidadosamente avaliado e monitorado por um médico.

Terapia de exposição

A terapia de exposição é uma forma específica de terapia comportamental usada no tratamento do TAG.

Ela envolve a exposição controlada a situações temidas, permitindo que os pacientes enfrentem seus medos gradualmente.

Essa abordagem terapêutica ajuda a dessensibilizar a ansiedade associada a essas situações, permitindo que os pacientes ganhem confiança e se adaptem a elas de maneira mais saudável.

Mudanças no estilo de vida

Além das abordagens terapêuticas, as mudanças no estilo de vida desempenham um papel crucial no tratamento do TAG.

A prática regular de exercícios físicos ajuda a reduzir a ansiedade, melhorar o humor e a promover o bem-estar geral.

Além disso, uma alimentação adequada fornece os nutrientes necessários para o funcionamento do corpo e do cérebro, contribuindo para uma melhor saúde mental.

Buscar a orientação de um profissional como o nutricionista é uma das opções mais indicadas para o desenvolvimento de um plano alimentar individualizado.

A gestão do estresse por meio de técnicas como meditação e relaxamento também pode ser benéfica para controlar os sintomas de ansiedade.

Outro ponto relacionado ao controle dos sintomas ansiosos refere-se à redução do consumo de cafeína e álcool, já que essas substâncias podem intensificar a ansiedade em algumas pessoas.

É importante destacar que o tratamento do TAG é altamente individualizado e a combinação de diferentes abordagens terapêuticas e mudanças no estilo de vida pode ser necessária para proporcionar alívio significativo dos sintomas.

A orientação de um profissional de saúde mental é essencial para o tratamento da ansiedade generalizada de acordo com as necessidades do paciente.

Conclusão

Como visto no post Transtorno de ansiedade generalizada (TAG): o que é, sintomas e tratamento, esse problema de saúde mental pode ser debilitante e prejudicar a qualidade de vida.

No entanto, com o tratamento adequado, incluindo terapia psicológica, medicamentos e mudanças no estilo de vida, muitas pessoas podem reduzir os sintomas e aprender a gerenciar o transtorno de maneira mais eficaz.

É importante lembrar que o TAG é uma condição de saúde mental que pode afetar qualquer pessoa, independentemente de sua idade, sexo ou origem.

O apoio da família, amigos e profissionais de saúde é fundamental para ajudar aqueles que lidam com o transtorno.

05/01/2024   •   há 5 meses