Medprev
Saúde mental

Depressão atípica: o que é, sintomas e tratamento

Revisado pela Equipe de Redação da Medprev

depressao-atipica-o-que-e-sintomas-e-tratamento-depressao-sorridente.jpg

Mesmo pessoas funcionais em tarefas do dia a dia podem ter problemas emocionais e psicológicos. A depressão atípica é um bom exemplo de como é possível realizar atividades rotineiras e, ainda assim, ter um transtorno em desenvolvimento.

Confira esse texto até o final para conhecer os seus principais sintomas e muito mais!

O que é a depressão atípica?

O termo surgiu na década de 1950, em uma época que muitos psiquiatras perceberam, ao diagnosticar uma série de pacientes com depressão, que eles não tinham as mesmas respostas aos tratamentos comuns. Após avaliações mais aprofundadas para entender o que havia de diferente, eles chegaram no termo depressão atípica.

Também chamada de depressão sorridente, ela se configura como um estado de profunda tristeza, porém externamente o paciente consegue ser funcional, além de se mostrar até alegre em alguns momentos. Por causa disso, é um pouco mais difícil conseguir fazer um diagnóstico inicial.

O que causa depressão atípica?

A causa específica para a depressão atípica é complexa, já que a doença pode estar ligada a diferentes fatores, entre eles:

  • Fatores genéticos, como histórico familiar de depressão;
  • Impacto emocional, como experimentar eventos traumáticos (acidente, por exemplo);
  • Exposição a situações estressantes ou tóxicas;
  • Mudanças significativas na vida, como mudar de casa, aposentar-se ou perder o emprego;
  • Doenças crônicas e/ou em grau avançado, como câncer, HIV ou problemas cardíacos;
  • Vivenciar perdas, como luto por alguém próximo, divórcio ou separação;
  • Uso substâncias, como o consumo de álcool em grande quantidade.

Sintomas

Os sintomas da depressão atípica variam de acordo com cada pessoa, mas entre os principais, estão:

  • Desconforto físico;
  • Exaustão ou esgotamento com facilidade;
  • Aumento de peso;
  • Pensamentos pessimistas.

Além dos sintomas mencionados anteriormente, também podem surgir outros sinais que impactam diretamente a qualidade de vida do indivíduo. Confira a seguir!

A reação emocional a estímulos positivos

Um dos sinais mais comuns quando se trata da depressão é a falta de reação às situações ou estímulos positivos. Há uma dificuldade das pessoas de se sentirem alegres ou bem, de forma que elas constantemente não sentem vontade de realizar atividades do seu dia a dia, incluindo as básicas.

Porém, na depressão atípica, a pessoa até consegue sentir uma certa positividade em alguns momentos. No entanto, ainda assim, não é como um indivíduo que está perfeitamente saudável emocionalmente, esses momentos só acontecem em situações muito específicas.

Baixa autoestima

Embora a pessoa realize todas as atividades rotineiras, é frequente que o paciente tenha a sensação de insuficiência, além de uma incapacidade de ser feliz completamente. Também, é comum que à medida que o corpo do indivíduo mude por causa da falta de vontade em se cuidar, ele comece a ter problemas de autoimagem. Isso ainda pode trazer uma certa sensibilidade aos comentários maldosos feitos por outras pessoas em relação às mudanças no seu corpo, o que pode agravar a tristeza.

Ansiedade, inquietação e nervosismo

A depressão atípica tende a aparecer com outras doenças como o transtorno bipolar e ansiedade. Nesse sentido, é comum que os pacientes apresentem hipersensibilidade, nervosismo e achem que, constantemente, algo ruim vai acontecer.

Essas pessoas também possuem dificuldade em ter relacionamentos afetivos satisfatórios ou duradouros. Como acham que sempre algo ruim vai acontecer, costumam ter uma desconfiança constante, sendo bastante sensíveis às críticas.

Paralisia plúmbea

Uma característica que também acontece em casos de depressão comum é a sensação de fadiga extrema, de corpo pesado, que geralmente é chamada de paralisia plúmbea. Essa sensação se concentra nos braços e pernas, podendo chegar a ser tão intensa que a pessoa sente dores e tem dificuldades de mobilidade. É inclusive comum que esse sintoma tenha relação com outro transtorno: o bipolar.

Hipersonia

Outro sintoma é o excesso de sono, nesse caso, a pessoa costuma dormir por longos horários, tirando cochilos demorados, acorda tarde e tem bastante dificuldade de lidar com as demandas do dia, principalmente, em ser produtivo.

Também existe uma certa fadiga, o indivíduo pode dormir por horas e mesmo assim não sentir-se totalmente recuperado ou com energia.

Grande apetite

Conforme os níveis de ansiedade e nervosismo aumentam, a tendência é que a pessoa acabe descontando em práticas que trazem prazer imediato, entre elas a comida. Nesse caso, o paciente tem uma fome constante que dificilmente é aliviada, podendo tornar-se um comportamento até compulsivo.

A depressão atípica pode ser diagnosticada?

Embora esteja mais camuflada do que a depressão comum, é possível que os profissionais de saúde diagnostiquem essa doença. Além dos sintomas, existem outros fatores, como:

  • Genética: presença de doenças mentais no histórico familiar;
  • Anedonia: ausência de prazer e satisfação em atividades que antes eram prazerosas;
  • Dificuldade de planejamento: contratempo para lidar com rotinas e estabelecer planos;
  • Baixa autoestima: presença de pensamentos negativos constantes sobre a sua autoimagem.

Lembrando que é essencial a busca por profissionais especializados para trazer um diagnóstico preciso, como psicólogos, terapeutas e psiquiatras.

Tratamentos

É importante entender que a depressão atípica é uma doença que se camufla muito bem, já que o paciente tende a ser funcional e até mesmo a se divertir em alguns momentos. No entanto, a falta de tratamento pode gerar grandes complicações no trabalho, na família e em casos mais graves, comprometer a vida do indivíduo.

Confira a seguir algumas das principais formas de tratar a doença.

Terapia

O primeiro passo para o tratamento é buscar o acompanhamento de um psicólogo. Esse profissional auxilia no cuidado mental e é essencial para o diagnóstico precoce de diversas doenças, como o transtorno de ansiedade.

Medicação

Além da terapia, o tratamento também pode ser realizado de forma medicamentosa. O psiquiatra trata as questões biológicas do cérebro e é o responsável por identificar alterações, realizando tanto o diagnóstico quanto o acompanhamento do paciente.

Entre os medicamentos que podem ser utilizados, estão os responsáveis por inibir os sintomas depressivos e estimular a produção de substâncias que causam bem-estar.

Meditação

Atividades como a meditação podem ser uma grande aliada de quem lida com a depressão, já que auxilia no alívio dos sintomas e recuperação do bem-estar.

A meditação ajuda a ativar o sistema nervoso parassimpático, proporcionando relaxamento e diminuindo o hormônio do estresse (cortisol). Além disso, melhora a produção de enzimas digestivas, fortalecendo o sistema imunológico.

Estilo de vida saudável

Manter uma rotina mais saudável pode ser um fator decisivo na saúde mental. Adquirir hábitos saudáveis pode fazer toda a diferença no tratamento. Entre os cuidados que podem ser tomados, estão:

  • Adotar uma dieta balanceada e nutritiva;
  • Praticar exercícios regularmente;
  • Priorizar uma rotina de sono adequada;
  • Considerar o uso de suplementos específicos para melhorar a saúde;
  • Efetuar estratégias para gerenciar o estresse e a ansiedade no dia a dia.

Conclusão

A depressão atípica é uma forma específica de transtorno depressivo que se diferencia da depressão comum por apresentar sintomas difíceis de identificar, já que não são incapacitantes.

Sendo assim, quem lida com a doença é capaz de realizar atividades rotineiras e até se sentir bem em alguns momentos, mas ao longo do tempo pode apresentar piora do quadro.

Para auxiliar na prevenção da doença e diagnóstico precoce, é preciso manter os cuidados com a saúde física e mental, além de buscar ajuda profissional ao notar um ou mais sintomas.

14/09/2023   •   há 9 meses