Medprev
Doenças

15 sintomas físicos da ansiedade

Revisado pela Equipe de Redação da Medprev

15-sintomas-fisicos-da-ansiedade.png

Uma crise de ansiedade pode gerar diversos sintomas físicos e psicológicos que facilmente se confundem com outros quadros de saúde. Nem sempre é fácil identificá-la e é comum que muitas vezes passe despercebida e seja ignorada em seus sinais mais leves ou traga sustos sérios em seus sintomas mais graves.

Para auxiliar no reconhecimento de seus sinais, confira 15 sintomas físicos da ansiedade:

  • Hiperventilação (sensação de respiração ofegante e falta de ar);
  • Suor em excesso (sudorese);
  • Tensão muscular;
  • Mãos frias;
  • Alteração na vontade de comer (perda do apetite ou aumento do consumo de comida);
  • Formigamento e/ou dormência;
  • Tontura;
  • Boca seca;
  • Dores de barriga;
  • Dores no peito;
  • Vômitos;
  • Zumbidos no ouvido;
  • Desmaio;
  • Ouvir ruídos;
  • Alteração na visão (vista embaçada ou turva).

Uma crise de ansiedade pode variar em sintomas e intensidade, e também pode ser sentida desde os sinais mais leves e comuns (como a hiperventilação e sudorese), até os mais extremos (como dores no peito e desmaio).

Aprenda mais sobre ansiedade a seguir!

O QUE É UMA CRISE DE ANSIEDADE?

Uma crise de ansiedade é o preparo do corpo para reagir a uma ameaça iminente.

Na época pré-histórica, as ameaças eram diretamente ligadas à integridade física (como encontrar um leão na selva), já atualmente as ameaças sentidas são de campo simbólico/psicológico (uma grande preocupação, medo do futuro, e etc).

Mas isso não desvalida, nem diminui a intensidade do que é sentido.

Os sinais entendidos como crise de ansiedade são na verdade o corpo se preparando para lutar ou fugir, seja hiperventilando para aumentar a oxigenação ou tensionando os músculos para que corram mais rápido, por exemplo.

A sensação de estar em alerta por uma ameaça (seja ela física, emocional, psicológica, social, profissional e etc) causa tensão e prepara o corpo constantemente para reagir, já que ele não distingue se esse risco é à sua integridade física ou não.

É importante identificar quais são os gatilhos que geram este estado e o que, simbolicamente, está sendo “ameaçado”.

Por isso, é muito importante procurar um profissional como um psicólogo clínico para auxiliar nesse processo.

O que pode piorar os sintomas da ansiedade?

Comumente, a ansiedade está relacionada a situações que despertam a sensação de preocupação e alerta.

Além dos gatilhos específicos de cada caso, alguns comportamentos podem intensificar os sintomas, como:

  • Não ter uma boa noite de sono;
  • Não cuidar da saúde mental;
  • Sedentarismo;
  • Consumir álcool ou cafeína em excesso.

Quais são os fatores de risco para ansiedade?

A ansiedade pode ser desencadeada de várias formas, mas há fatores de risco que podem acelerar o seu agravamento. Confira alguns deles a seguir!

Ambientes tóxicos e/ou estressantes

O ambiente em que o indivíduo está inserido influencia diretamente no seu bem-estar e saúde.

Locais estressantes, como o trabalho ou um ambiente familiar tóxico, podem aumentar as chances de ter uma crise de ansiedade, despertando reações adversas que em médio e longo prazo podem evoluir para e se tornar mais sérias.

Doenças crônicas

Pessoas que sofrem com doenças crônicas podem lidar frequentemente com a ansiedade.

O receio da piora do quadro de saúde e o contato constante com dores ou outros sintomas da enfermidade são alguns exemplos de gatilhos para a crise.

Problemas financeiros

A instabilidade financeira ou imprevistos que comprometem o orçamento familiar são algumas situações no qual a ansiedade pode surgir e se tornar frequente.

O receio sobre o futuro pode aumentar significativamente, inclusive potencializando as chances de desenvolver doenças como a depressão.

Tipos de transtorno de ansiedade

Quando a ansiedade evolui para um transtorno, pode ser categorizada em diferentes tipos. Confira alguns a seguir.

TOC

Pessoas com TOC (Transtorno Obsessivo-Compulsivo) lidam com pensamentos e/ou comportamentos irracionais que podem causar ansiedade.

Isso ocorre devido a alguns de seus sintomas, como os pensamentos intrusivos que causam uma preocupação constante e excessiva.

Para lidar com esses pensamentos ansiosos, a pessoa tende a realizar rituais (obsessões) que aliviam a sensação, mas quando não cumpre a sequência de etapas relacionadas a uma determinada situação, pode sofrer com crises, por exemplo.

Ataque de pânico

Quem sofre com ataques de pânico comumente sente os sintomas mais intensos da ansiedade.

Durante uma crise, o indivíduo pode ter a sensação de que vai morrer a qualquer momento e sentir as diversas reações psicológicas e físicas tão intensamente, que começa a ter medo de sair de casa e ter crises novamente (reação chamada de agorafobia).

TEPT

Quem é diagnosticado com TEPT (Transtorno do Estresse Pós-Traumático) sofre com os sintomas da ansiedade quando em contato com a causa do trauma.

Esse distúrbio acontece após um episódio no qual o indivíduo experiencia uma situação violenta ou com exposição a um alto nível de estresse.

Conclusão

Como visto no post “15 sintomas físicos da ansiedade”, a ansiedade como uma reação a situações preocupantes e/ou desafiadoras faz parte do dia a dia dos indivíduos, uma vez que é natural lidar com adversidades.

Porém, quando a ansiedade se torna mais intensa e prejudica a saúde, além da rotina, pode necessitar de um acompanhamento especializado para tratamento dos sintomas e identificação das causas.

A busca por atendimento psicológico não precisa ser restrita ao surgimento dos sintomas ansiosos.

Ter o apoio de profissionais, como o psicólogo, é essencial para a autodescoberta, gerenciamento de responsabilidades e emoções, além de auxiliar na melhora dos relacionamentos interpessoais.

Conteúdo revisado clinicamente em 19/12/2023 pela psicóloga da Medprev, Brenda Santos Vieira - CRP: PR 08362/83

15/02/2024   •   há 2 meses


Fique por dentro das campanhas e cupons da Medprev

Declaro que li e aceito os e a

Relacionados

Síndrome de Asperger: o que é, diagnóstico e como a família pode ajudar

Dislexia: o que é, como identificar e tratamento

Síndrome dos ovários policísticos (SOP): o que é, sintomas e tratamento

Diabetes: o que é, quais as causas, sintomas e tratamentos

Quais são as causas da depressão?

Ver mais