Blog

Doenças

Quais são os tipos de manchas de pele?

Nem todas as manchas na pele são indicativos de problemas que podem se agravar. Entretanto, saber identificar corretamente o tipo de mancha, baseado na cor e nas características dela, é […]

manchas de pele

Nem todas as manchas na pele são indicativos de problemas que podem se agravar. Entretanto, saber identificar corretamente o tipo de mancha, baseado na cor e nas características dela, é essencial para entender se se trata de algo que requeira tratamento ou de algo mais simples, passível de ser resolvido sem muitas complicações.

Importante: em caso de dúvidas, agende uma consulta com um profissional de saúde para que ele possa realizar uma avaliação mais precisa. Veja quais são as manchas mais comuns e saiba como tratar cada uma delas.

Manchas na cor marrom

As manchas de cor marrom podem ser de três tipos: Melanose, Fitofotodermatose ou Melasma. As melanoses são manchas causadas pelo sol e aparecem no dorso das mãos, no colo ou nas costas, áreas bastante expostas ao sol. A boa notícia é que essas manchas não são graves e podem ser revertidas com luz pulsada.

Já as fitofotodermatoses, popularmente conhecidas como “mancha do limão”, são queimaduras causadas pela reação do contato da fruta com a pele e a tendência é que elas saiam com o tempo. Por fim, o Melasma surge em função de fatores genéticos ou hormonais e nesse caso não há cura, mas é possível atenuar a coloração.

Manchas na cor preta

Já as manchas na cor preta podem ser de quatro tipos: Nevo, Nevo Congênito, Melanoma e Queratose. Os nevos, na maioria das vezes, são benignos e não aumentam de tamanho nem mudam de forma. Porém, é recomendado fazer um acompanhamento deles desde a infância da criança.

Já os melanomas são lesões mais graves e que se não forem tratadas de forma precoce podem resultar no desenvolvimento de câncer. Por fim, as queratoses são similares aos nevos, mas as causas são distintas e as consequências não são graves.

Manchas brancas

As manchas brancas também podem ser subdivididas em três tipos: leucodermia solar, pitiríase versicolor ou vitiligo. A leucodermia solar surge depois dos 40 anos e pode ser confundida com vitiligo, mas com menor gravidade. O vitiligo é uma doença genética e que se manifesta em razão de alterações emocionais.

Por fim, a pitiríase versicolor, popularmente conhecida como pano branco, é causada por fungos e pessoas com a pele oleosa têm maior propensão a desenvolver esse tipo de problema. Como a similaridade entre as manchas é grande, é recomendável procurar um profissional de saúde para ter um diagnóstico mais preciso.

Manchas roxas e vermelhas

Manchas na cor roxa são mais comuns a organismos mais frágeis e em idosos. Elas podem ser hematomas, causados por pancadas ou, ainda, em razão de fragilidade capilar e deficiência de vitamina C, ou púrpura senil, manchas que aparecem nos braços dos idosos.

Por fim, manchas na cor vermelha podem ser nevo rubi. Elas surgem na pele sem maiores explicações e coçam, podendo provocar sangramentos. Não impactam diretamente na saúde, mas a retirada é uma questão primordialmente estética.

Não espere até que a situação se agrave

A partir do momento que você percebe uma mancha na pele, é importante iniciar um acompanhamento antes mesmo de procurar um médico. Se possível, fotografe o local e confira dia após dia se a mancha aumenta de tamanho ou muda de coloração.

Ainda que não haja comprometimento estético, é importante buscar orientação médica para que eventuais melanomas não se agravem com o passar do tempo, podendo até mesmo virar câncer. Todo cuidado com manchas é pouco. Evite tratamentos caseiros sem saber ao certo do que se trata.

Utilize o site da Medprev para agendar uma consulta com um dermatologista e tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto.

Dicas de saúde, novidades e soluções no seu e-mail, cadastre-se já!

Fique tranquilo, não enviamos spam para nossos pacientes.