BLOG MEDPREV

Como identificar os sintomas de gastrite?

Sem tratamento, essa condição pode levar a sangramentos, úlceras e até mesmo ao câncer de estômago. Veja como identificar os sintomas da gastrite para saber quando ir ao médico.

A gastrite é uma inflamação da mucosa do estômago que pode ser causada por diversos fatores. Embora ela possa ser curada, a demora ou a ausência do tratamento podem levar a complicações mais graves, como o câncer do estômago. Por isso, é importante saber como identificar os sintomas da gastrite precocemente.

Essa condição acontece quando algum fator causa um desequilíbrio na barreira natural (muco) que protege as paredes do estômago contra o ácido clorídrico, produzido pelas células desse órgão para digerir os alimentos. Assim, do contato do ácido com a mucosa, surge a inflamação.

Tipos de gastrite e seu diagnóstico

Existem três tipos principais de gastrite: aguda, crônica e nervosa. A gastrite aguda surge de forma repentina e com sintomas mais claros, enquanto a condição crônica se desenvolve mais lentamente e costuma estar relacionada à presença de uma bactéria. A gastrite nervosa, por sua vez, está associada a fatores emocionais.

O diagnóstico da gastrite costuma ser feito por meio da associação entre os sinais e sintomas do paciente com os achados da endoscopia (exame de imagem), geralmente solicitada pelo clínico geral ou pelo gastroenterologista.

A diferenciação entre os tipos de gastrite, porém, depende de um exame histológico (biópsia), no qual se constatam as alterações celulares de natureza aguda ou crônica e a presença ou não de microrganismos.

Causas da gastrite

Existem diversos fatores capazes de danificar o muco que protege as paredes do estômago, deixando-as expostas à ação do ácido clorídrico. Conheça os principais:

  • Uso de anti-inflamatórios: quando usados de forma regular, medicamentos anti-inflamatórios não esteroides, como aspirina, ibuprofeno e naproxeno, diminuem a produção de uma substância importante para a manutenção do muco protetor do estômago, favorecendo as inflamações;

  • Consumo excessivo de álcool e café: essas dois elementos irritam a mucosa gástrica, deixando-a mais suscetível à ação do ácido clorídrico. Eles costumam estar relacionados à gastrite aguda;

  • Infecção pela bactéria Helycobacter pylori: essa bactéria pode prejudicar a mucosa e causar alterações, levando principalmente à gastrite crônica. Estima-se que metade da população esteja infectada, mas a maioria das pessoas não tem maiores complicações;

  • Refluxo biliar: acontece quando a bile, que é produzida pelo fígado, chega ao estômago devido a um problema ou à ausência da válvula que controla a sua saída, causando uma inflamação. Também está mais relacionado à gastrite crônica;

  • Envelhecimento: o revestimento do estômago fica mais fino com o passar dos anos, de forma que os idosos têm uma tendência maior a apresentar uma infecção pelo H. pylori e desenvolver a gastrite.

Como identificar os sintomas da gastrite

No início, os sintomas podem ser bem leves, como uma queimação no estômago discreta. Contudo, com o passar do tempo, uma gastrite não tratada pode causar dores tão intensas que impedem a pessoa de ficar em pé.

Embora possam variar de pessoa para pessoa, estes são os sinais e sintomas mais comuns dessa condição:


  • Queimação e azia;

  • Dor na boca do estômago, que pode ser em forma de pontadas;

  • Sensação de que há alguma coisa na garganta;

  • Dor de cabeça;

  • Dificuldade e demora na digestão;

  • Enjoos;

  • Soluços;

  • Sensação de que o estômago está sempre cheio;

  • Eructações frequentes (arrotos);

  • Inchaço na região do estômago;

  • Desconforto abdominal;

  • Gases;

  • Refluxo;

  • Dor na parte superior do abdômen;

  • Perda de apetite;

  • Fraqueza;

  • Emagrecimento;

  • Ânsia de vômito e vômito;

  • Fezes escurecidas e vômito com sangue ou com secreção parecida com borra de café (quando há sangramento da parede do estômago).

É importante observar que a gastrite crônica não costuma apresentar sintomas em suas etapas iniciais, de forma que o diagnóstico só acontece quando o paciente tem uma crise mais séria e procura atendimento médico. Quando essa condição é sintomática, as principais queixas são a sensação de que o estômago está sempre cheio, a perda do apetite e a dor de estômago.

No caso da gastrite aguda, os sintomas costumam se agravar depois da ingestão de alimentos gordurosos ou muito condimentados. Já na gastrite nervosa, o desconforto está associado a situações de ansiedade e estresse.

Tratamento

O tratamento da gastrite depende da causa da inflamação e associa medicamentos específicos com mudanças na alimentação e, quando possível, a supressão do agente que desencadeou o problema.

Entre os medicamentos mais utilizados, estão os antiácidos (hidróxido de alumínio e de magnésio), os protetores gástricos (omeprazol e pantoprazol), antagonistas H2 (que bloqueiam a produção do ácido) e os antibióticos (quando se constata infecção pelo H. Pylori).

Na alimentação, recomenda-se evitar bebidas alcoólicas, refrigerantes, café, suco de frutas ácidas, chocolates, conservas e alimentos gordurosos ou muito condimentados, que tendem a agravar o quadro.

Caso a gastrite seja causada pelo uso de anti-inflamatórios, o tratamento inclui a suspensão ou a troca do medicamento por outro que não afete a mucosa estomacal. Por fim, nos casos de gastrite nervosa, também é necessário adotar medidas para controlar o estresse e a ansiedade.

Saber como identificar os sintomas da gastrite é muito importante para que você procure um médico para confirmar o problema e receber o tratamento mais adequado, evitando complicações como sangramentos, úlceras no estômago e o aumento do risco de câncer. Fique atento!

Fonte(s): Minuto Saúde, Abc Med, Minha Vida e Tua Saúde

Tags: Saúde, cuidado do corpo, medprev, hospital, clínicas, agendamento, gastrite, saúde, estômago, cuidados

Voltar para   BLOG MEDPREV

posts relacionados
7 hábitos saudáveis que melhoram a qualidade de vida e saúde masculina
Leia mais...