Medprev
Enxaqueca

7 tipos de enxaqueca

Revisado pela Equipe de Redação da Medprev

7-tipos-de-enxaqueca.png

A enxaqueca é uma condição neurológica debilitante, caracterizada por dores de cabeça intensas, geralmente pulsantes. São dores que costumam durar horas ou dias e que interferem nas atividades diárias e na qualidade de vida.

No mundo, a enxaqueca atinge cerca de 1 bilhão de pessoas, sendo as mulheres, as principais.

Cerca de uma a cada cinco mulheres tem enxaqueca. No Brasil, cerca de 15% da população brasileira é acometida (em torno de 31 milhões de pessoas entre os 20 e 45 anos).

Ao todo, já foram identificados mais de 150 tipos de dores de cabeça de acordo com estudos da da Sociedade Internacional de Cefaleia e da Sociedade Brasileira de Cefaleia.

Entre eles, está a enxaqueca, que figura, inclusive, como a mais comum.

Quer saber mais sobre os 7 tipos de enxaqueca e as principais características de cada? Confira a seguir!

O que é enxaqueca?

A enxaqueca é uma condição neurológica crônica que atinge milhares de pessoas ao redor do mundo.

Este é um tipo de dor de cabeça debilitante, que pode ou não vir acompanhada de outros sintomas, como náuseas, enjoos e alta sensibilidade.

Suas crises podem durar de horas a dias e atingem diretamente a qualidade de vida e bem-estar do indivíduo.

Muitas pessoas também podem vivenciar sintomas chamados de aura, que incluem distúrbios visuais, sensoriais ou motores.

6 tipos de enxaqueca

Existem vários tipos de enxaqueca, cada qual com suas características e causas específicas.

Saiba mais sobre os principais tipos (e também mais comuns), além de detalhes sobre cada.

1. Enxaqueca crônica

A enxaqueca crônica é um tipo de enxaqueca que tem como principal característica as dores de cabeça frequentes, que ocorrem em média 15 dias ou mais em um mês.

É um tipo que impacta drasticamente a vida da pessoa afetada, levando a limitações em todas as esferas, incluindo o trabalho e interação social.

Suas principais características incluem:

  • frequência elevada de dores;
  • impacto profundo na qualidade de vida;
  • sensibilidade aumentada (principalmente a luz e o som).

O tratamento para este tipo envolve uma abordagem multidisciplinar, com a combinação de medicamentos preventivos, terapias complementares (acupuntura, ioga) e mudanças no estilo de vida.

2. Enxaqueca com aura

A enxaqueca com aura é um tipo de dor de cabeça que tem como principal característica os sintomas sensoriais, visuais ou motores, que costumam surgir antes das crises.

Estes sintomas são conhecidos com aura e, em sua maioria, são transitórios.

De forma geral, os sintomas visuais são os mais comuns.

O paciente pode enxergar linhas de zigue-zague, pontos de luz branca, flashes ou mesmo ter a visão embaçada.

Alguns ainda relatam sentir formigamento em algumas partes do corpo, juntamente com dificuldades na fala e compreensão da linguagem.

Suas causas ainda não são totalmente compreendidas.

Contudo, acredita-se que estresse, alterações hormonais, certos alimentos e estímulos visuais intensos podem desencadear as crises em pessoas com predisposição genética para a condição.

O tratamento é semelhante a outros tipos e inclui medicamentos para alívio das dores e mudanças no estilo de vida.

Lembre-se que é fundamental buscar ajuda médica (como do clínico geral e neurologista) para receber orientação sobre o tratamento mais adequado.

3. Enxaqueca menstrual

A enxaqueca menstrual é um tipo que ocorre em paralelo ao ciclo menstrual da mulher, podendo ser antes, durante ou após.

É um tipo de dor de cabeça causada pelas flutuações hormonais naturais que ocorrem durante o próprio ciclo menstrual.

As dores sentidas são semelhantes a outros tipos de dores de cabeça e incluem dor intensa pulsante unilateral (em apenas um lado da cabeça), acompanhadas de náuseas, sensibilidade à luz e som, além de vômitos.

As flutuações hormonais neste período estão associadas às quedas e picos de estrogênio e progesterona.

O tratamento inclui, entre outros, terapias hormonais, medicamentos analgésicos e atividade física regular.

É essencial a ajuda médica para a enxaqueca menstrual, especialmente se ela afeta de forma significativa o bem-estar e a qualidade de vida da mulher.

Um médico especializado pode ajudar a identificar estratégias para diminuir o impacto do problema.

4. Enxaqueca oftálmica

A enxaqueca oftálmica é um tipo de dor de cabeça que tem como origem a visão.

Geralmente, está associada a problemas oftalmológicos como miopia e astigmatismo.

Alguns pacientes podem experimentar a dor pulsante nos olhos, podendo comprometer a visão.

Os sintomas deste tipo de enxaqueca incluem:

  • Fotopsias - flashes de luz repentinos;
  • Escotomas - áreas de visão ausente ou embaçada;
  • Visão embaçada ou distorcida - dificuldade em focar ou enxergar as coisas de forma clara.

Estes sintomas costumam durar, no máximo, 30 minutos, mas nem sempre estão associados à dor de cabeça.

Ao contrário dos outros tipos, nesta condição as dores não estão necessariamente presentes. Porém, se existirem, costumam ser leves.

5. Enxaqueca sem aura

Enxaqueca sem aura é o tipo mais comum em relação aos outros.

Caracterizada por dores de cabeça intensas e recorrentes, pode durar horas ou vários dias.

É conhecida como "sem aura" por não ser precedida por sintomas visuais, sensoriais ou motores.

Geralmente, é descrita como uma dor pulsante unilateral, podendo, em alguns casos, afetar ambos os lados da cabeça.

Além das dores, o paciente pode ainda sentir vômitos, sensibilidade à luz e ao som.

Seus episódios são esporádicos, com duração que varia de pessoa para pessoa.

Suas causas, assim como outras formas de enxaqueca, não são totalmente compreendidas.

Contudo, acredita-se que envolva uma combinação de fatores genéticos, desequilíbrios no cérebro, alterações no funcionamento dos nervos e dos vasos sanguíneos.

A consulta médica é essencial para combater a enxaqueca sem aura.

Nela, o médico pode ajudar a identificar padrões de crises, determinando assim a melhor abordagem terapêutica de acordo com a necessidade do paciente, além de descartar outras condições que possam estar causando sintomas semelhantes.

6. Enxaqueca hemiplégica

A enxaqueca hemiplégica trata-se de um tipo raro, caracterizada por ataques súbitos de fraqueza em um lado do corpo (hemiplegia).

Boa parte destes ataques podem vir acompanhados por sintomas visuais, sensoriais ou sintomas semelhantes aos encontrados na enxaqueca com aura.

Os principais sintomas incluem:

  • Hemiplegia temporária - fraqueza temporária em um lado do corpo, que começa com as mãos e progride para braço, perna e às vezes o rosto. Ela pode durar horas, como também dias;
  • Fortes dores de cabeça;
  • Problemas visuais ou de fala - os ataques, além da paralisação, podem embaçar a visão do paciente, além de causar sérios problemas na fala.

A enxaqueca hemiplégica é considerada uma doença genética, com mutações bastante específicas.

Nem todos os casos são hereditários; contudo, alguns são transmitidos geneticamente.

Por ser uma condição complexa, o tratamento deste tipo de enxaqueca é considerado desafiador.

Por isso, o foco é na prevenção das crises e no manejo dos sintomas.

Entre as ações que podem ser tomadas para lidar com esse tipo de enxaqueca, estão:

  • Medicamentos preventivos, incluindo os anticonvulsivantes, antidepressivos ou medicamentos específicos para a enxaqueca hemiplégica;
  • Repouso imediato durante e depois de um ataque, além de monitoramento médico constante.

7. Enxaqueca vestibular

A enxaqueca vestibular é um tipo de enxaqueca que acomete principalmente a população adulta, em especial os pacientes que possuem uma história prévia e longa com a doença.

O sistema vestibular, que dá nome a este tipo, localiza-se no ouvido interno e faz parte do labirinto membranoso.

Esta é uma estrutura que exerce um papel crucial na manutenção do equilíbrio geral do corpo, sendo formada por três componentes:

  • sistema sensorial periférico;
  • processador central;
  • mecanismo de resposta motora.

Entre os principais sintomas, destacam-se:

  • Episódios fortes de vertigem, que duram de minutos a horas, e que pioram ainda mais com a movimentação da cabeça e com algumas mudanças de posição;
  • Presença de cinetose, condição comum provocada pelo movimento de transporte ou visual, que causa enjoo, vômitos e outros problemas relacionados.

Esses sintomas variam em duração e intensidade, podendo durar de minutos a horas.

Suas causas ainda não foram esclarecidas, porém, sabe-se que alterações no sistema vestibular causam o problema.

Os tratamentos incluem medicamentos para alívio da vertigem, terapias de reabilitação vestibular (incluem exercícios específicos para fortalecimentos do sistema vestibular e para o equilíbrio), além de mudanças no estilo de vida.

Conclusão

Os diferentes 7 tipos de enxaqueca demonstram o quanto essa doença é complexa e necessita de cuidados médicos específicos.

Cada forma da condição, até as mais específicas como a enxaqueca vestibular, apresenta características únicas com diferentes impactos na qualidade de vida do indivíduo.

Compreender os tipos de enxaqueca é fundamental para buscar ajuda médica e melhorar o bem-estar por meio de diagnóstico e tratamento adequado.

21/05/2024   •   há 23 dias