BLOG MEDPREV

15 mitos e verdades sobre o DIU

Aumenta ou diminui a menstruação? Prejudica a gravidez? Precisa usar preservativo? Esclareça esses e outros mitos e verdades sobre DIU

O dispositivo intrauterino, conhecido popularmente como DIU, é um dos métodos contraceptivos mais seguros disponíveis atualmente. Apesar disso, ele é utilizado por menos de 5% das brasileiras em idade fértil, em grande parte devido ao desconhecimento dos mitos e verdades sobre DIU, que podem deixar muitas mulheres em dúvida.

O melhor método contraceptivo varia de mulher para mulher. Porém, para que você possa decidir, é necessário estar bem informada. Confira nossa lista de mitos e verdades e esteja preparada para sua próxima consulta com o ginecologista:

1. É impossível engravidar com o DIU

Mito. O DIU é sim extremamente eficaz, porém nenhum método contraceptivo atual oferece 100% de proteção. O DIU de cobre oferece risco de gravidez de 0,8%, enquanto o DIU com hormônios oferece risco de 0,2%. Dessa forma, em raríssimos casos, pode haver sim uma gestação. Para fins de comparação, a pílula chega a ter 9% de risco.

Vale lembrar que o DIU é uma das opções mais seguras porque não está sujeito a falhas ocasionadas por esquecimentos da mulher, como pode acontecer no uso da pílula, adesivos ou injeções.

2. O DIU aumenta o risco de infecções na mulher

Mito. No passado, esse método realmente podia aumentar o risco de doença pélvica inflamatória, mas isso não acontece mais hoje em dia. Se a mulher não apresentar nenhuma doença já instalada, os riscos do surgimento de uma infecção são muito baixos.

3. O DIU não atrapalha a amamentação

Verdade. Mulheres que deram à luz há pouco tempo e que quiserem utilizar o DIU podem colocá-lo sem ter problemas na hora de amamentar.

O DIU de cobre pode ser colocado em até 48 horas após o parto. Passado esse período, recomenda-se aguardar quatro semanas para fazer a implantação. Caso a escolha seja pelo DIU com hormônio, é necessário esperar seis semanas.

4. Mulheres que nunca tiveram filhos podem usar DIU

Verdade. O DIU não causa problemas de fertilidade e pode ser utilizado por mulheres sem filhos. Entretanto, assim como acontece no uso de outros métodos contraceptivos, é necessário passar por uma consulta com um ginecologista para receber todas as orientações.

5. O DIU é um método abortivo

Mito. O DIU impede uma gravidez ao impossibilitar a junção do óvulo com o espermatozoide. Por causa disso, o dispositivo age muito antes da fecundação, de forma que não há como ele provocar um aborto.

6. O DIU pode atrapalhar a relação sexual

Mito. O DIU tem um fio muito fino para facilitar sua retirada quando chegar o momento, mas ele não atrapalha a relação sexual nem causa prejuízos ao prazer da mulher.

7. O DIU tem contraindicações

Verdade. Como todos os métodos contraceptivos, o DIU também tem algumas contraindicações. Ele não deve ser utilizado por mulheres que possuem alguma malformação no útero, útero muito pequeno ou infecções uterinas recentes. Ele também não é indicado para mulheres que ainda não iniciaram a vida sexual.

8. A implantação do DIU é muito dolorida

Depende. A mulher pode sentir algum nível de desconforto, mas ele se parece mais com uma cólica menstrual. Em geral, a colocação do DIU é um processo bastante simples e indolor, principalmente para pacientes que já tiveram filhos por parto vaginal.

A percepção de incômodo ou dor está mais relacionada à sensibilidade de cada mulher e às expectativas que ela tem para esse procedimento. A colocação do DIU pode ser feita no consultório médico, com ou sem anestesia local, ou em um centro cirúrgico com a possibilidade de sedação venosa.

9. É normal sentir incômodos ou dor leve no útero depois de colocar o DIU

Verdade. No primeiro mês, o DIU pode causar alguns desconfortos por ainda não estar completamente acomodado em sua posição. Porém, se você sentir dores muito fortes ou se esses sinais não cessarem depois desse tempo, é necessário verificar se a implantação do DIU foi feita de forma correta.

10. Mulheres com diabetes e outras doenças crônicas devem evitar o DIU

Mito. O DIU de cobre pode ser utilizado por pacientes com diabetes, doença cardíaca valvular, câncer de mama e outras condições, sempre de acordo com a orientação médica.

11. É necessário associar o DIU com outro método contraceptivo

Verdade. Como o DIU é um método que impede apenas a gravidez, sem oferecer proteção contra doenças sexualmente transmissíveis, é necessário associá-lo ao preservativo feminino ou masculino.

12. O DIU é um método muito caro

Depende. O custo inicial de um DIU, principalmente o hormonal, realmente é bem mais alto do que o de métodos como preservativo ou pílula anticoncepcional. Porém, é preciso considerar que ele pode ser utilizado por 5 a 10 anos, tornando-se uma opção mais em conta ao longo do tempo.

13. O DIU pode alterar seu fluxo menstrual

Verdade. O DIU com hormônio pode diminuir bastante o fluxo menstrual, chegando até mesmo a causar a interrupção da menstruação, embora possa haver um sangramento de escape nos primeiros meses.

O DIU de cobre, por sua vez, pode aumentar a intensidade e a duração do fluxo menstrual, além de causar mais cólicas.

14. A fertilidade da mulher pode ser prejudicada pelo uso do DIU

Mito. O uso do DIU não interfere na fertilidade da mulher, mesmo que ela utilize o DIU hormonal. Depois da retirada do dispositivo, o útero logo se torna receptivo aos espermatozoides novamente, permitindo que a mulher engravide.

15. É necessário fazer manutenção periódica do DIU

Verdade. Um dos riscos do DIU é que ele se desloque ou seja rejeitado pelo corpo (quando não está bem posicionado). Por isso, é necessário fazer exames nos primeiros três meses para observar se ele se acomodou corretamente.

Nessas ocasiões, é importante tirar possíveis novas dúvidas com o médico ginecologista, de forma que a paciente saiba lidar melhor com os mitos e verdades sobre DIU e esteja mais apta a cuidar de seu próprio corpo.

Tags: Saúde, cuidado do corpo, medprev, hospital, clínicas, agendamento, métodos contraceptivos, DIU, sexo

Voltar para   BLOG MEDPREV

posts relacionados
Você já ouviu falar da Síndrome da Cabeça Explosiva?
Leia mais...
Tudo sobre enxaqueca: o que é, sintomas, causas e tratamento
Leia mais...