BLOG MEDPREV

Testosterona: como a queda desse hormônio pode impactar a sua saúde

Mais do que reduzir o desejo sexual, a testosterona baixa pode prejudicar seu bem-estar psicológico e aumentar o risco de diversas doenças.

A testosterona é conhecida por ser o principal hormônio masculino. Produzida pelos testículos, seus níveis aumentam a partir da puberdade, resultando no crescimento dos órgãos reprodutores e no desenvolvimento das características sexuais secundárias, como o crescimento da barba e dos pelos corporais e o aumento da massa muscular.

Além disso, a testosterona é muito famosa por ser responsável pela libido e pela potência sexual – aspectos que realmente são prejudicados quando suas taxas estão diminuídas. Porém, esses não são os únicos problemas causados pela testosterona baixa.

Andropausa: a “menopausa masculina”

Da mesma forma que as mulheres sofrem alterações hormonais com o avanço da idade, os homens também podem manifestar sintomas decorrentes da queda dos níveis hormonais. Esta é a chamada andropausa, uma fase da vida masculina que pode ser comparada à menopausa (interrupção da menstruação).

Contudo, enquanto todas as mulheres passam pela menopausa, nem todos os homens passam pela andropausa. Na verdade, em vez de uma interrupção propriamente dita, o que ocorre é uma queda gradual na produção de testosterona, geralmente a partir dos 40 anos; por isso, essa condição também é conhecida como deficiência androgênica do envelhecimento masculino (DAEM).

Estima-se que a DAEM ou andropausa afeta até 20% dos homens acima dos 50 anos e até 50% daqueles com mais de 80. Não é possível determinar se um homem terá sintomas da andropausa ou não, mas existem alguns fatores que aumentam esse risco, como consumo de álcool, tabagismo, sedentarismo, obesidade, estresse, hipertensão, diabetes e infecções.

Sintomas de testosterona baixa

Além de ser responsável pelo desenvolvimento do pênis e dos testículos e pelo desejo sexual, a testosterona exerce diversas outras funções no organismo, influenciando os níveis de energia, o humor e a saúde mental.

Dessa forma, a testosterona baixa pode se manifestar tanto por meio de sintomas físicos quanto psicológicos, por exemplo:

  • Cansaço excessivo ou fadiga persistente;
  • Redução da energia para realizar as atividades cotidianas;
  • Diminuição da barba e dos pelos corporais;
  • Queda de cabelo;
  • Perda de massa muscular;
  • Aumento da gordura corporal;
  • Diminuição da agilidade, da força e da resistência física;
  • Diminuição da libido (redução do desejo sexual);
  • Redução da frequência de ereções espontâneas à noite ou pela manhã;
  • Disfunção erétil (impotência sexual ou redução da capacidade de ereção);
  • Problemas de memória;
  • Raciocínio lento;
  • Abatimento ou desinteresse geral;
  • Depressão;
  • Irritabilidade exacerbada.

Muitos dos sintomas da testosterona baixa também acontecem em diversas doenças. Dessa forma, somente o médico pode diferenciar a andropausa de outras condições. Em geral, o diagnóstico requer exames como a dosagem de testosterona livre e testosterona total, além de exames complementares como dosagem de prolactina e gonadotrofinas.

Além disso, como a testosterona é fundamental para a produção dos espermatozoides, alterações no espermograma também são úteis para o diagnóstico.

Outros efeitos da testosterona baixa no organismo

Embora a diminuição da libido e a impotência sexual sejam os efeitos mais temidos pelos homens, uma redução nos níveis de testosterona pode trazer outros prejuízos à saúde masculina, incluindo:

  • Infertilidade;
  • Crescimento das mamas;
  • Redução da tolerância à glicose (maior tendência ao diabetes);
  • Fragilidade óssea e aumento do risco de fraturas (maior tendência à osteoporose);
  • Aumento do risco de doenças cardiovasculares.

Como aumentar a testosterona

A andropausa é uma condição irreversível, mas a reposição de testosterona pode aliviar seus sintomas. No Brasil, o tratamento está disponível em forma de gel, adesivo cutâneo ou injeção, cabendo ao médico determinar qual delas é mais indicada para cada paciente.

É importante ter em mente que a reposição de testosterona só deve ser realizada quando houver diagnóstico confirmado de andropausa ou DAEM. Nesses casos, o tratamento oferece benefícios significativos e contribui para a prevenção de outros problemas decorrentes da testosterona baixa.

Contudo, a reposição de testosterona não deve ser realizada apenas para aumentar a massa muscular ou simplesmente combater o envelhecimento. Além de não ter indicação dos especialistas para esses fins, essa prática pode causar efeitos colaterais perigosos, como infertilidade, aumento do volume do coração, trombose, aumento do risco e agravamento de câncer de próstata e de mama e morte súbita.

Quando bem indicada, porém, a reposição hormonal masculina é uma alternativa para restabelecer a saúde física e mental do homem com testosterona baixa. Por isso, é fundamental passar por uma avaliação com o médico endocrinologista, o urologista ou o andrologista.

Vale mencionar também que o tratamento medicamentoso deve ser acompanhado por um estilo de vida saudável, o que inclui medidas como:

  • Ter uma alimentação saudável;
  • Praticar atividades físicas regularmente;
  • Não fumar;
  • Evitar o álcool;
  • Tomar sol para regular os níveis de vitamina D;
  • Evitar o estresse;
  • Descansar o suficiente e dormir bem.

Se você apresentar sintomas de testosterona baixa, utilize o site ou o aplicativo do MEDPREV para agendar sua consulta com o médico e obter o tratamento mais indicado para o seu caso.

Fonte(s): Endocrino [1] e [2], Portal da Urologia [1], [2] e [3]

posts relacionados
Disfunção erétil: sintomas, causas, prevenção e tratamento
Leia mais...