BLOG MEDPREV

Tatuagem interfere no exame de ressonância magnética?

Você tem uma tatuagem e já ouviu dizer que ela interfere no exame de ressonância magnética? Isso realmente pode acontecer, mas não é preciso se desesperar.

A primeira coisa que pensamos quando temos que fazer uma ressonância é o desconforto de ficar dentro de um tubo. Porém, existem outros fatores que devemos considerar para obter um laudo preciso, e às vezes não nos lembramos deles. Por exemplo, você já se perguntou se a tatuagem interfere no exame de ressonância magnética?

Talvez você nunca tenha se preocupado com isso, mas já podemos adiantar que sim, aquela linda tatuagem cheia de significados, escolhida a dedo e aparentemente inocente pode trazer algumas inconveniências na hora de fazer esse exame.

Para entender por que isso acontece, é necessário conhecer um pouco sobre a tecnologia por trás dessa técnica de diagnóstico por imagem.

Como funciona a ressonância magnética

A ressonância magnética é um exame que pode identificar doenças de diversas naturezas, como problemas abdominais, cardíacos, neurológicos e ortopédicos, entre outros.

Assim, o médico pode solicitar esse exame para confirmar ou refutar um diagnóstico de hérnia de disco, tendinite, fratura, lesão do menisco, esclerose múltipla, infecções, mal de Alzheimer, AVC, tumores e mais uma infinidade de doenças ou condições de saúde.

O funcionamento da máquina de ressonância tem como base a interação do nosso corpo com os campos magnéticos emitidos por um ímã muito grande (o suficiente para que o paciente possa se deitar dentro dele) e muito potente.

Além disso, a máquina também emite ondas de radiofrequência que estimulam nossos prótons (cargas positivas), e eles emitem sinais que são capturados pelo aparelho, transmitidos a um computador e convertidos em imagens numa escala de tons de cinza. Assim, de acordo com a forma e a cor das imagens, o médico radiologista fará o laudo que será levado ao especialista que solicitou o exame.

Preparação para o exame: nada de metal

Quando o paciente chega à clínica para fazer uma ressonância, a equipe solicita que ele retire acessórios como relógios, anéis, pulseiras, correntes e qualquer outro objeto que contenha metal. Além disso, pertences como telefone celular, chaves e moedas precisam ficar do lado de fora da sala de exame.

Como você já deve imaginar, essas medidas são necessárias justamente devido ao funcionamento da máquina, pois o campo magnético emitido pelo ímã é muito poderoso. Um simples botão de calça jeans, por exemplo, representa um perigo para o paciente, pois ele pode ser atraído pelo ímã e se deslocar em grande velocidade.

Por esse mesmo motivo, pessoas que usam marca-passo, cateteres, aparelho odontológico e outros implantes metálicos não podem se submeter ao exame de ressonância magnética.

E as tatuagens, onde entram nessa história?

Se você está se perguntando se a tatuagem interfere no exame de ressonância magnética, a resposta mais correta é que isso depende dos componentes da tinta utilizada para fazer o desenho na pele.

Alguns pimentos, em especial aqueles em tons de vermelho e preto, contêm ferro em sua composição (na forma de óxido de ferro), e essa substância é muito suscetível ao campo magnético da máquina de ressonância. Como o ferro é um metal condutor de eletricidade, uma corrente elétrica será formada na tatuagem.

O problema é que, quando o ferro ou outro metal são submetidos a correntes elétricas, sua temperatura começa aumentar. A situação se agrava quando se trata de tatuagens com formato de círculo ou símbolo do infinito, pois elas podem funcionar como antenas e esquentar ainda mais ao captar mais energia do ímã.

Em consequência, a tatuagem e a pele ao seu redor podem ficar inchadas e irritadas, chegando a apresentar queimaduras – existem até mesmo registros de queimaduras de primeiro e segundo grau na literatura científica.

O alerta também vale para as tatuagens cosméticas, como a chamada maquiagem definitiva feita na sobrancelha, nas pálpebras e no contorno dos lábios, pois elas também podem conter óxido de ferro em seus pigmentos. Além disso, a pele do rosto é ainda mais sensível e, portanto, é mais sujeita a lesões.

Quem tem tatuagem está proibido de fazer uma ressonância magnética?

Se a sua tatuagem foi feita com tintas que não contêm óxido de ferro, você não precisa se preocupar com essas reações – o problema é que raramente é possível ter certeza sobre a composição dos pigmentos.

Contudo, temos uma boa notícia: embora o risco de queimadura exista, é bastante raro que um paciente tenha uma lesão permanente causada pela interação entre uma máquina de ressonância e uma tatuagem. Quando ocorre alguma reação, o mais comum é que a pessoa sinta apenas uma ardência na região do desenho, que pode ser controlada com o uso de uma toalha úmida para cobri-lo.

Dessa forma, o que nós podemos concluir é que sim, é verdade que a tatuagem interfere no exame de ressonância magnética, mas nem sempre isso significa que você não poderá se submeter a ele ou que os resultados serão comprometidos. Nesse caso, o melhor a fazer é conversar com o médico e a equipe da clínica para que sejam tomados os devidos cuidados.

Fonte(s): Telelaudo, DiagRad, HypeScience, Biomedicina Padrão e Radiologia Em Pauta.

Tags: Saúde, cuidado do corpo, medprev, hospital, clínicas, agendamento, tatuagem, tatuagens, exame de ressonância magnética, ressonância magnética

Voltar para   BLOG MEDPREV

posts relacionados
Vacina faz bem ou mal à saúde? 7 mitos e verdades sobre vacinação
Leia mais...