BLOG MEDPREV

Quando devo procurar um dermatologista?

Queda de cabelo, manchas avermelhadas, celulite, pele oleosa e suor excessivo são motivos para ir ao médico? Afinal, quando devo procurar um dermatologista?

Se a pergunta “quando devo procurar um dermatologista?” já passou pela sua cabeça, é sinal de que você já teve algum problema de pele, unhas e cabelos ou pelo menos ficou em dúvida se alguma alteração era normal ou não.

Contudo, é comum que os pacientes procurem esse especialista apenas quando o problema já está muito avançado, o que dificulta o tratamento e pode ter consequências graves, como os casos de câncer de pele.

Por isso, é muito importante buscar atendimento dermatológico o mais breve possível ao observar alguns sinais e alterações. Conheça os principais motivos para agendar sua consulta:

1. Cravos e espinhas

Embora a acne seja vista como “coisa de adolescente” e um problema que passa sozinho, ela pode trazer consequências emocionais muito sérias e deixar marcas permanentes, como manchas e cicatrizes.

Por isso, cravos e espinhas em excesso, seja na adolescência ou na fase adulta, são motivos para consultar o dermatologista.

2. Coceira, vermelhidão e descamação

Essas alterações na pele podem se originar por uma série de fatores, desde uma picada de inseto até dengue e câncer. Além disso, manchas vermelhas que coçam podem indicar alergias ou irritações, como as famosas dermatites ou eczema.

Se não forem tratadas corretamente, essas lesões podem formar feridas pelo ato de coçar e abrem caminho para infecções de pele, pois as unhas carregam bactérias.

3. Pele muito seca ou muito oleosa

Saber qual é o seu tipo de pele é muito útil na hora de escolher produtos como hidratante e protetor solar. Isso é algo que você pode descobrir em uma consulta ao dermatologista, que também pode indicar as melhores opções para você.

Além disso, quando a pele está muito seca e começa a descamar e a arder ou, então, quando há um excesso de óleo que causa acne e atrapalha seu dia a dia, é o dermatologista que pode indicar os melhores tratamentos e cuidados para reequilibrar sua pele.

4. Unhas fracas ou manchadas

Unhas que se tornam frágeis, quebram facilmente ou começam a descamar são motivos de uma visita ao dermatologista, pois podem indicar desde uma irritação por contato até uma deficiência nutricional e doenças como micose, anemia, psoríase e problemas na tireoide.

Além disso, alterações de formato e cor também devem ser avaliadas pelo dermatologista, já que podem ser decorrentes de diabetes, doenças respiratórias e problemas cardiovasculares, entre outras condições.

5. Queda de cabelo

A queda de cabelo é um sinal normal da passagem do tempo, especialmente entre os homens. Porém, ela também pode ser originada por outros fatores, como alteração hormonal pós-parto, síndrome metabólica, problemas na tireoide e micose no couro cabeludo.

Dependendo da avaliação do dermatologista, o paciente poderá ser encaminhado para outro especialista para tratar a condição que está por trás da perda dos fios.

6. Celulite, estrias, rugas e flacidez

O dermatologista também é o especialista mais indicado para o tratamento de imperfeições estéticas, como aquelas causadas pela gordura localizada e a passagem do tempo. Em meio a uma diversidade de procedimentos disponíveis, a escolha pela melhor técnica varia conforme as condições de cada paciente.

Além disso, os tratamentos estéticos precisam ser feitos com supervisão médica, pois muitos utilizam agulhas ou podem causar problemas permanentes se não forem seguidos todos os cuidados.

7. Suor excessivo

Transpirar é uma função normal do nosso corpo, mas a sudorese excessiva causa constrangimentos como estar sempre com manchas nas roupas (especialmente nas axilas) e estar com as mãos molhadas ao cumprimentar outras pessoas.

Essa condição é conhecida como hiperidrose e pode surgir em outras partes do corpo, como o couro cabeludo e os pés, trazendo muitos inconvenientes para o paciente. Por isso, a consulta com o dermatologista é fundamental para tratar esse problema.

8. Mau cheiro nas axilas ou nos pés

Embora o suor não tenha cheiro, as bactérias da pele que se alimentam dele produzem substâncias de odor desagradável – e é por isso que usamos sabonetes e desodorantes.

Porém, algumas pessoas não conseguem se livrar do mau cheiro mesmo estando com a higiene em dia, apresentando uma condição chamada bromidrose. Nesses casos, a consulta com o dermatologista é essencial para encontrar o melhor tratamento.

9. Manchas e pintas suspeitas

A maior parte dos sinais que temos pelo corpo é benigna, mas somente um dermatologista pode descartar o risco de malignidade de um sinal que apareceu há pouco tempo ou que está apresentando alterações de cor e tamanho.

Feridas que não cicatrizam e lesões que sangram facilmente também devem ser avaliadas por esse médico, pois podem ser sinais de câncer de pele.

10. Qualquer alteração na pele e seus anexos

Qualquer mudança no aspecto ou no comportamento da pele, das unhas, dos cabelos e dos pelos pode passar por uma avaliação do dermatologista, incluindo:

  • Lesões com pus (abcessos, foliculite, furúnculos e granuloma piogênico);
  • Cistos, lipomas e nódulos;
  • Descamação do couro cabeludo (caspa);
  • Excesso de pelos (hirsutismo);
  • Queloide;
  • Verrugas.

Agora você já sabe: quando a pergunta “quando devo procurar um dermatologista?” passar pela sua cabeça, muito provavelmente já está na hora de fazer isso! Procure a MEDPREV mais próxima para marcar sua consulta.

Fontes: SBD [1][2][3][4] e [5]Dicas de Mulher e Abril Saúde

posts relacionados
O que perguntar na primeira consulta ao ginecologista
Leia mais...