BLOG MEDPREV

9 cuidados de pele para quem faz quimioterapia

Ressecamento e sensibilidade aumentada estão entre os efeitos adversos do tratamento contra o câncer. Conheça os principais cuidados a serem tomados.

As células da pele se reproduzem muito rápido, de forma semelhante às células cancerosas. Como o tratamento age justamente no mecanismo de reprodução celular, o tecido cutâneo acaba sofrendo com os efeitos colaterais. Pensando nisso, nós selecionamos os principais cuidados de pele para quem faz quimioterapia, de modo a evitar esses problemas.

É comum que as pessoas em tratamento quimioterápico fiquem com a pele mais ressecada e sujeita à descamação, o que aumenta as chances de cortes e feridas que demoram a cicatrizar e podem levar a infecções. Além disso, a pele fica mais sensível, podendo apresentar sinais de irritação ao entrar em contato com diversos produtos.

Dessa forma, os cuidados com a pele também fazem parte do tratamento e da preservação do bem-estar do paciente. Conheça as principais medidas a seguir:

1. Invista na hidratação da pele para impedir o ressecamento

Para que a pele se mantenha íntegra e apta a se defender dos microrganismos causadores de doenças, é necessário reforçar a barreira de proteção natural que impede a perda de água, evitando o ressecamento, a descamação e o aumento da sensibilidade.

Assim, indica-se o uso de cremes hidratantes à base de ureia ou de óleos emolientes, como o óleo de amêndoas ou de semente de uva. O médico poderá indicar produtos específicos para o cuidado da sua pele ou prescrever uma fórmula manipulada.

2. Redobre os cuidados com a exposição solar

O sol não é proibido para quem está fazendo quimioterapia, mas, como a pele fica ainda mais sensível aos efeitos nocivos da radiação, é necessário limitar a exposição a poucos minutos por dia.

Além disso, as pessoas em tratamento devem utilizar o protetor solar diariamente, mesmo nos dias nublados e quando vão ficar em ambientes fechados, pois os raios ultravioleta atravessam nuvens e janelas.

Em ocasiões em que os pacientes estarão ao ar livre, recomenda-se o reforço da aplicação do protetor solar e o uso de roupas de mangas compridas (como batas e camisetas) e acessórios como chapéus, bonés e óculos escuros de boa qualidade.

3. Proteja os lábios do sol e do ressecamento

A pele que recobre os lábios é mais fina que a pele do rosto, portanto ela está ainda mais sujeita a queimaduras solares e ao ressecamento, que provoca rachaduras e feridas.

Dessa forma, é importante utilizar um protetor solar labial quando for se expor ao sol e investir em um hidratante específico para essa região.

4. Escolha perfumes, desodorantes e outros produtos tópicos sem álcool

Os produtos com álcool devem ser evitados por quem está com a pele sensível, pois esse componente causa ardência, vermelhidão e irritação. Além disso, o álcool é um agente desidratante, que contribui ainda mais para o ressecamento da pele.

Por isso, recomenda-se optar por perfume, desodorante, loção pós-barba, protetor solar e outros produtos tópicos que exibam o selo “sem álcool” em sua embalagem.

5. Tenha cuidado na hora de fazer a barba ou se depilar

É preciso redobrar os cuidados na hora de se depilar ou fazer a barba com o auxílio de lâminas. Como a pele está mais sensível, há um risco maior de cortes de difícil cicatrização, que facilitam a entrada de microrganismos causadores de infecção.

Se possível, substitua as lâminas por aparelhos elétricos, que oferecem menor chance de machucar a pele. Contudo, antes de adotar qualquer método para retirar os pelos, sempre fale com o seu médico – muitas vezes, a orientação pode ser suspender a remoção por alguns meses.

6. Evite o contato com produtos químicos

Produtos de limpeza (sabão em pó, detergente, água sanitária, saponáceo etc.), tintura de cabelo, solventes e outros tipos de produtos químicos podem agravar sintomas de irritação da pele, como vermelhidão, inchaço e descamação.

Por isso, tente evitar ao máximo o contato com esses itens e utilize luvas quando for necessário lidar com eles.

7. Não remova cutículas ao fazer a unha

Manter a vaidade é importante para a qualidade de vida das pessoas com câncer, mas alguns hábitos, como ir à manicure, demandam algumas adaptações, como evitar remover a cutícula. Essa pelezinha é uma barreira de proteção contra microrganismos causadores de doenças, e a sua remoção é ainda mais perigosa para quem está com a imunidade baixa.

Além disso, não se deve compartilhar os apetrechos de manicure nem os esmaltes, de modo a evitar a contaminação com fungos e bactérias de outras pessoas. Também pode ser indicado o uso de vitaminas para fortalecer as unhas.

8. Tome banhos rápidos e com água morna

Banhos muito quentes contribuem para o ressecamento da pele, pois a água em temperatura elevada, em conjunto com sabonetes comuns, remove a camada de proteção natural. Por isso, é importante tomar banhos rápidos com água morna e utilizar sabonete neutro ou específico para peles sensíveis.

Além disso, ao sair do banho, evite esfregar a toalha contra a pele, pois isso pode causar lesões. Nesse caso, a melhor forma de se secar é pressionar uma toalha macia suavemente contra o corpo, de modo a absorver a água sem machucar.

9. Consulte-se com o dermatologista

O dermatologista é o médico que cuida da pele, das unhas e dos cabelos e que pode indicar os produtos e procedimentos mais apropriados para a pele já sensibilizada. Assim como o oncologista, que é o médico que trata o câncer, o dermatologista também está disponível pelo MEDPREV.

O trabalho conjunto desses dois especialistas é fundamental para definir os melhores cuidados de pele para quem faz quimioterapia, pois o organismo de cada pessoa reage de forma diferente. Lembre-se de que o cuidado integral é muito importante para a recuperação e a qualidade de vida do paciente.

Fonte(s): Vencer o CâncerGNTGazeta Online e HC Barretos

posts relacionados
Vacina faz bem ou mal à saúde? 7 mitos e verdades sobre vacinação
Leia mais...