Blog

Alimentação

Intolerância à lactose: quais os sintomas e como é feito o tratamento?

Se você sente algum desconforto após consumir produtos lácteos ou alimentos com leite em sua composição, é possível que você tenha algum grau de intolerância à lactose. Ainda que não […]

Se você sente algum desconforto após consumir produtos lácteos ou alimentos com leite em sua composição, é possível que você tenha algum grau de intolerância à lactose. Ainda que não existam números precisos sobre a condição, estima-se que no Brasil pelo menos 53 milhões de pessoas apresentem algum tipo de sintoma.

A avaliação médica é fundamental, pois o problema não é de simples diagnóstico. Algumas pessoas apresentam índices moderados de intolerância enquanto outras podem ter sintomas mais expressivos. Além disso, há casos em que o diagnóstico correto é de alergia a algum tipo de alimento, inclusive ao leite de vaca.

O que é intolerância à lactose?

A lactose é o açúcar predominante no leite e nos laticínios. Para que ela seja corretamente digerida pelo organismo, é necessária uma enzima chamada lactase, produzida pelas células do revestimento interno do intestino delgado. Quando ela não é produzida ou é produzida em quantidade insuficiente, o resultado é uma má digestão.

Sem a lactase, a lactose não pode ser absorvida e nem digerida. O excesso dessa substância no organismo pode provocar sintomas como diarreia líquida, incialmente, e flatulência, distensão abdominal e cólicas posteriormente após ser fermentada por bactérias no intestino grosso.

A intolerância à lactose pode se manifestar de três formas: primária, secundária e congênita. No primeiro caso ela ocorre em decorrência do envelhecimento, sendo comum em pessoas mais velhas. Já a secundária é consequência de doenças ou ferimentos. Por fim, a congênita é uma condição genética, em que as pessoas já nascem com o problema.

Deficiência de lactase: por que isso ocorre?

Quando nascemos nosso corpo produz grandes quantidades da enzima lactase, pois ela é uma fonte primária de nutrição nos primeiros meses de vida. Com o passar dos anos, esse volume de produção tende a diminuir em razão da dieta ou mesmo do envelhecimento. Quando a produção chega a níveis muito baixos, o paciente pode desenvolver intolerância.

Doenças como gastroenterite, doença de Crohn ou celíaca também podem agravar esse quadro. Há casos ainda em que a deficiência na produção se dá desde o nascimento, por herança autossômica recessiva. Nesse caso, tanto o pai quanto a mãe transmitem o gene da intolerância à lactose para a criança.

Sintomas e diagnóstico: como reconhecer o problema?

A intolerância alimentar a leite e produtos derivados é o sintoma comum da intolerância à lactose. Em alguns casos, tudo depende da quantidade de leite ingerida – o problema só de manifesta a partir de um determinado volume, por exemplo. Em casos mais graves, uma quantidade mínima já é suficiente para provocar reações.

Entre as crianças, a manifestação mais comum de sintomas é a diarreia líquida. Como consequência, o ganho de peso fica prejudicado enquanto o leite e seus derivados fizerem parte da alimentação. Já entre os adultos, os sintomas incluem distensão e cólicas abdominais, diarreia líquida, flatulência, náusea, ruídos intestinais e necessidade urgente de defecar entre trinta minutos e duas horas depois de ingerir alimentos contendo lactose.

Ao perceber que sintomas como esses estão se tornando frequentes, o ideal é agendar uma consulta na Medprev com um especialista em gastroenterologia. Após uma avaliação preliminar, o profissional de saúde poderá solicitar a redução ou a suspensão do consumo de leite e derivados durante um período de três a quatro semanas para reavaliação.

Posteriormente, podem ser realizados ainda exames como o de tolerância à lactose (via exame de sangue), hidrogênio expirado ou medição de ácidos.

Tratamento: há cura para a intolerância à lactose?

Não há um tratamento específico que resulte na cura da intolerância à lactose. No entanto, a suplementação de lactase é uma das maneiras de permitir que pacientes com deficiência na produção dessa enzima continuem consumindo quantidades moderadas desse tipo de alimento.

Entretanto, em grande parte dos casos o problema só é resolvido quando há mudanças na dieta. Remover leite e produtos lácteos da alimentação reduz significativamente os sintomas. Nesse caso, consulte ainda um profissional de nutrição para saber como readequar sua dieta, desconsiderando produtos que possam ocasionar em má digestão.

…..

Muitas pessoas com intolerância à lactose ainda não tiveram um diagnóstico sobre esse problema. O importante é que você não assuma essa condição como normal e procure um médico quando os sintomas se tornaram frequentes, por duas ou três semanas consecutivas. Agenda uma consulta na Medprev hoje mesmo para iniciar o tratamento, se necessário.

Dicas de saúde, novidades e soluções no seu e-mail, cadastre-se já!

Fique tranquilo, não enviamos spam para nossos pacientes.