7 benefícios do coco para a saúde

Você já ouviu falar nos benefícios do coco para a saúde? Além de muito saborosa, essa fruta típica de regiões tropicais que faz sucesso em diversos tipos de receitas doces e salgadas e ainda oferece uma série de vantagens para o organismo. Por ser muito versátil, o coco pode ser consumido de muitas formas, incluindo a polpa, a água, o leite e a farinha, o que amplia as possibilidades de aproveitar suas propriedades no dia a dia. Conheça os benefícios que essa fruta deliciosa traz para a sua saúde:

1. A água de coco é excelente para hidratar o corpo e repor os eletrólitos

Composta por 93% de água e 7% de carboidratos, proteínas, vitaminas e minerais, a água de coco é uma bebida muito eficiente para a reposição dos líquidos e dos sais perdidos por meio do suor ou em casos de diarreia. Entre seus minerais, ganham destaque o potássio, o cálcio e o magnésio, que estão presentes em quantidades superiores em relação aos isotônicos industrializados. Dessa forma, a água de coco é mais eficiente na reposição eletrolítica – e sem a desvantagem de oferecer doses extras de sódio e açúcar refinado.

2. Combate ao envelhecimento e a diversas doenças

Devido à presença de vitaminas do complexo B e da vitamina C, o coco ajuda a combater os danos causados pelos radicais livres, preservando o material genético das células. Dessa forma, tanto a água de coco quanto a polpa da fruta têm função antioxidante. Como resultado, seu consumo ajuda o organismo a combater o envelhecimento e a prevenir doenças degenerativas, como mal de Parkinson e mal de Alzheimer, e alguns tipos de câncer – condições que são favorecidas pelo estresse oxidativo provocado pela ação dos radicais livres.

3. Sensação de saciedade

A polpa do coco maduro é muito rica em nutrientes como fibras e gorduras boas, que ajudam a prolongar a sensação de saciedade depois de uma refeição e evitam que a pessoa “belisque” lanchinhos pouco saudáveis. Dessa forma, o consumo dessa fruta pode até mesmo contribuir em processos de emagrecimento.

Para isso, porém, é preciso incluí-la na dieta com moderação, pois uma porção de 100 gramas da polpa seca tem 390 calorias.

4. Melhora da função intestinal

O alto teor de fibras presente na polpa do coco contribui para o aumento do bolo fecal, o que estimula os movimentos peristálticos que conduzem as fezes até sua eliminação. Dessa maneira, a inclusão da fruta no cardápio ajuda a estimular o bom funcionamento do intestino, facilitando a eliminação dos resíduos.

5. O óleo de coco é um excelente hidratante

O óleo extraído do coco é utilizado em diversos hidratantes corporais e máscaras capilares pelo fato de ser capaz de fortalecer a barreira protetora da pele e dos cabelos, impedindo a perda de moléculas de água. Assim, esse ingrediente tem um alto poder umectante e ajuda a manter pele, unhas e cabelos íntegros e hidratados quando utilizado em produtos como sabonetes, shampoos, cremes e pomadas. Contudo, vale lembrar que o óleo de coco em altas doses pode entupir os poros e agravar quadros de acne, por isso o melhor é optar por produtos de confiança e indicados pelo dermatologista.

6. A farinha de coco é rica em fibras

Por ter um alto teor de fibras, a farinha de coco contribui para o bom funcionamento do intestino e reduz a absorção do açúcar e das gorduras provenientes da dieta, ajudando a prevenir doenças como constipação intestinal, diabetes e colesterol alto. Além disso, suas fibras têm uma alta capacidade de absorver água, de modo que elas se expandem e formam um gel quando chegam no estômago, o que contribui para a saciedade.

Por isso, a farinha de coco pode ser utilizada em alimentos como bolos, biscoitos e pães em dietas destinadas à perda de peso. Ainda, a farinha de coco é hipoalergênica e livre de glúten, sendo portanto uma boa alternativa para pessoas com alergias alimentares ou doença celíaca.

7. O leite de coco é nutritivo e não contém lactose

Fonte de gorduras boas, vitaminas do complexo B, vitamina C, potássio, cálcio, magnésio, fósforo e outros minerais, o leite de coco tem uma textura cremosa e um sabor muito rico, de forma que ele pode ser utilizado em diversos pratos doces e salgados, incluindo bolos, tortas, suflês, moquecas etc.

Além disso, como todo leite de origem vegetal, o leite de coco não contém lactose, constituindo uma opção segura para quem sofre de intolerância ou alergia a esse açúcar. Agora que você conhece os benefícios do coco para a saúde, aproveite a maior disponibilidade dessa fruta nas estações mais quentes do ano para incluí-la na sua alimentação. Ela é deliciosa e ainda faz bem!

Fonte(s): G1Minha VidaTua Saúde e  Dicas de Mulher

Tags: Saúde, cuidado do corpo, medprev, hospital, clínicas, agendamento, alimentação, alimentação saudável, coco

Voltar para   BLOG MEDPREV

Você já deve ter sentido que seu corpo “pede” determinados tipos de prato no verão, não é mesmo? Pois saiba que isso tem explicação, já que a alimentação no calor exerce uma grande influência nos níveis de energia e bem-estar.

A preferência por alimentos mais leves nos dias mais quentes é consequência das mudanças bioquímicas e metabólicas causadas pelo aumento da temperatura, no sentido contrário do que acontece no inverno, quando os pratos mais encorpados parecem mais apetitosos.

Conheça os benefícios de seguir uma alimentação saudável no verão:

O organismo precisa de menos calorias no verão

Não é à toa que sentimos mais fome no inverno: com o frio, o corpo gasta mais calorias para manter sua temperatura entre 36 e 37 graus. No verão, porém, não perdemos tanto calor para o ambiente, e isso faz com que o gasto calórico diminua.

Dessa forma, precisamos ingerir menos calorias nessa época do ano, o que significa não apenas limitar o tamanho das porções, mas também dar preferência a alimentos mais leves e com valor energético reduzido.

Por isso, é importante priorizar alimentos como frutas, legumes, verduras, grãos integrais e carnes magras, que fornecem os nutrientes necessários sem exagerar nas calorias.

A preferência por alimentos leves ajuda a evitar a sonolência

Logo depois que você se alimenta, seu organismo inicia o processo de digestão, e isso faz com que órgãos como fígado, estômago e intestino precisem de mais sangue para dar conta da demanda.

Quando consumimos alimentos muito calóricos ou gordurosos ou quando exageramos nas quantidades, é necessário enviar mais sangue para o sistema digestivo. Com isso, o volume de sangue disponível para o cérebro diminui, causando sonolência e moleza – efeitos que são ainda mais intensos no calor.

Assim, ao dar preferência a uma alimentação saudável no verão, evitando o consumo excessivo de gorduras e carboidratos simples, é mais fácil se manter alerta e bem-disposto depois das refeições.

Os cuidados com a alimentação no calor previnem o suor excessivo

A transpiração é um mecanismo natural que serve para o organismo controlar a sua temperatura interna. Em função disso, a transpiração aumenta no verão, pois a evaporação do suor na pele permite o resfriamento do corpo.

Mas você já reparou que às vezes a transpiração também aumenta logo depois de comer? Isso acontece principalmente quando consumimos alimentos muito quentes, que também elevam a temperatura interna.

Além disso, o chamado nervo vago, que sai do crânio e vai até o abdômen, passando pelos órgãos digestivos, é estimulado pelo calor dos alimentos, o que faz com que a produção do suor aumente ainda mais.

Para evitar esse efeito, a alimentação no calor deve ser rica em produtos como verduras, frutas, legumes, carnes sem molho e sopas frias (gaspacho). 

A hidratação ajuda a combater a moleza típica do verão

Nos dias mais quentes, muitas pessoas sofrem com a queda da pressão arterial. Isso acontece porque o calor causa a dilatação das artérias, e isso dificulta que o sangue chegue a todos os órgãos, incluindo o cérebro e os músculos. Em consequência, surgem sintomas como tontura, dor de cabeça, fadiga, falta de concentração e até mesmo desmaios.

Outro fator que agrava ainda mais esses sintomas é a desidratação: com o aumento da produção de suor, o corpo perde muitos líquidos, o que pode diminuir o volume de sangue circulante e causar os mesmos efeitos da pressão baixa.

Nesse caso, a famosa dica de consumir um pouco de sal não adianta muita coisa, pois seu efeito é muito demorado. Em vez disso, a melhor forma de combater a moleza típica do verão é aumentando a ingestão de líquidos e de alimentos hidratantes.

Por isso, vale a pena tomar pelo menos 2,5 litros de água por dia e complementar a hidratação com água de coco, chás e sucos naturais. Além disso, alimentos como frutas e legumes são ricos em água e contribuem para manter o nível adequado de fluidos do organismo.

É importante lembrar que o álcool desidrata o organismo, pois ele aumenta ainda mais a eliminação dos líquidos pelos rins.

A alimentação equilibrada previne e combate o inchaço

As consequências do calor sobre os vasos também atingem as veias, dificultando o retorno do sangue a partir dos membros em direção ao coração. Esse efeito é observado principalmente nas pernas, nos tornozelos e nos pés, que costumam ficar inchados e com a sensação de peso no verão.

Esse inchaço, também conhecido como edema, é acentuado quando há um excesso no consumo de alimentos ricos em açúcar e sal, que causam retenção de líquido. Em contrapartida, ter uma alimentação saudável no verão ajuda a reduzir esse efeito.

Além disso, pode parecer contraditório, mas é preciso reforçar a hidratação para que os rins consigam eliminar os líquidos excedentes, assim como as toxinas e substâncias que favorecem a retenção e o inchaço.

Ao dar preferência a itens como frutas, legumes, verduras, cereais integrais, peixes e outras fontes de proteínas magras, você ajuda seu corpo a prevenir os principais incômodos do verão. Incorpore essas dicas de alimentação no calor e aproveite todos os benefícios.

Fonte(s): G1Dr. Drauzio VarellaTua Saúde e Veja.

Você sabia que em 31 de agosto é comemorado o Dia do Nutricionista? A data foi escolhida em homenagem à criação da Associação Brasileira dos Nutricionistas, que ocorreu em 1949. Embora quase sempre esteja associado a dietas de emagrecimento, esse profissional é essencial para a nossa saúde e realmente merece um dia só para ele!

O nutricionista é quem mais entende sobre os alimentos e os efeitos deles em nosso corpo. Por isso, ele é um profissional indispensável para nos ajudar a ter uma alimentação saudável e, assim, conquistar mais qualidade de vida.

Conheça as diferentes áreas da nutrição 

Quem deseja perder peso realmente encontra no nutricionista um grande aliado para fazer isso de forma saudável, sem recorrer a dietas radicais. Porém, existem muitas outras áreas em que esse profissional pode atuar. Confira:

1. Nutrição clínica (consultório)

A nutrição clínica é uma especialidade que atua na prevenção e no tratamento de doenças e problemas de saúde associados à alimentação. Assim, o nutricionista clínico presta atendimento individualizado para pessoas com os mais diversos objetivos.

Atuando em clínicas e consultórios, o nutricionista pode elaborar um plano alimentar específico, prescrever suplementos e prestar orientações para pessoas que buscam: 

  • Emagrecer ou ganhar massa; 
  • Controlar a diabetes, o colesterol, a hipertensão e outras doenças; 
  • Evitar ou eliminar o consumo de glúten ou lactose;
  • Controlar alergias alimentares;
  • Preparar-se para uma cirurgia;
  • Reaprender a se alimentar depois de uma cirurgia bariátrica;
  • Adotar uma dieta vegetariana ou vegana sem prejudicar o organismo;
  • Fazer uma reeducação alimentar para ter uma vida mais saudável.

Muito mais do que “passar uma dieta”, o nutricionista busca conhecer o estilo de vida, as preferências alimentares e as condições orgânicas de um paciente para assim promover a reeducação alimentar e proporcionar melhores condições de saúde.

dia do nutricionista

2. Nutrição esportiva

O nutricionista esportivo é o profissional especializado em atender atletas profissionais ou amadores, proporcionando benefícios a eles por meio da alimentação. 

Dependendo das exigências do esporte ou da atividade física, o nutricionista pode contribuir com o paciente ao indicar planos e suplementos alimentares com diversos objetivos, por exemplo:

  • Melhorar o desempenho do atleta no geral;
  • Aumentar a força, a velocidade ou a resistência durante a prática esportiva;
  • Reduzir o tempo de recuperação do organismo depois do treino;
  • Atingir ou manter o peso adequado.

A presença do nutricionista esportivo é frequente em equipes e clubes, mas ele também pode atuar em consultório, de forma semelhante ao nutricionista clínico, e prestar atendimento individual.

3. Nutrição funcional

Todo nutricionista que atende pacientes individualmente leva em consideração as necessidades específicas de cada pessoa, mas essa preocupação é ainda maior para o nutricionista funcional.

Essa subárea da nutrição busca entender como as necessidades e os desequilíbrios orgânicos do paciente estão relacionados à sua alimentação, seja pela falta ou pelo excesso de determinados nutrientes.

Assim, o nutricionista funcional analisa a individualidade bioquímica e genética da pessoa para elaborar um plano alimentar que atenda às necessidades nutricionais em nível celular e reduza as inflamações.

4. Nutrição comportamental

Como o próprio nome indica, a nutrição comportamental não leva em conta apenas o ato de comer em si, mas o comportamento do paciente em relação à comida, englobando questões como culpa, compulsão, traumas e outros aspectos emocionais envolvidos na alimentação.

importância do nutricionista

Dessa forma, em vez de elaborar dietas, a atuação do nutricionista comportamental envolve muita escuta, conversa e técnicas para auxiliar a pessoa a construir um relacionamento positivo com a comida e, em consequência, adotar uma alimentação saudável para a vida toda.

5. Nutrição domiciliar, ambulatorial e hospitalar 

Além de atuar em consultório, o nutricionista clínico pode atender pessoas que estão recebendo cuidados médicos em casa ou em instituições de saúde, como clínicas e hospitais, ou prestar orientações a populações específicas, como os moradores de casas de repouso.

Dependendo das necessidades do paciente e do ambiente em que ele se encontra, o nutricionista pode elaborar um plano alimentar específico para cada necessidade, como restabelecer os níveis de determinado nutriente (ferro, vitamina D, proteínas etc.), ou estabelecer uma nova rotina de refeições na residência.

Outras áreas de atuação do nutricionista

Além de atuar diretamente com pacientes individuais na promoção da alimentação saudável, o nutricionista pode estar presente em diversas empresas e instituições, incluindo funções como:

  • Indústria de alimentos e suplementos alimentares: pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, controle de qualidade e treinamento da equipe;
  • Cozinha industrial (cozinha de escolas, hospitais, hotéis, empresas etc.): elaboração de cardápio adequado ao público, controle das condições de higiene e seleção de fornecedores;
  • Gastronomia: criação de pratos exclusivos, elaboração de cardápios para atender determinadas restrições alimentares e adaptação de receitas para um público específico.

Independentemente do local onde esse profissional atua, seu objetivo final é sempre promover a alimentação saudável e proporcionar mais qualidade de vida às pessoas. 

*****

Que tal aproveitar o Dia do Nutricionista para cuidar melhor de você mesmo? Agende sua consulta pelo site ou aplicativo do MEDPREV.

Fonte(s): Saúde Abril, Cia de Estágios, Unasp e CRN2