BLOG MEDPREV

Qual a diferença entre metabologia, endocrinologia e gastroenterologia?

A metabologia, a endocrinologia e a gastroenterologia são especialidades médicas que se relacionam e caminham juntas, mas cada uma tem sua área de atuação.

Nosso organismo funciona como um todo, de forma que as alterações em um órgão ou função podem produzir efeitos secundários que afetam outras regiões. Por isso, quando sentimos um desconforto e queremos buscar ajuda médica, nem sempre fica claro com qual especialista devemos nos consultar.

Isso explica boa parte da confusão sobre áreas da medicina como metabologia, endocrinologia e gastroenterologia, cujos objetos de estudo têm diversas semelhanças e muitas vezes podem se sobrepor. Saiba mais sobre essas especialidades e quando recorrer a cada uma:

Metabologia

Metabologia é a especialidade médica que estuda o metabolismo, ou seja, os processos bioquímicos por meio dos quais o organismo realiza suas funções, incluindo a renovação celular, a manutenção dos tecidos e a produção de energia.

metabologia

Dessa forma, a metabologia se ocupa das doenças que prejudicam os mecanismos envolvidos no funcionamento do organismo como um conjunto, especialmente nas transformações que acontecem a partir da ingestão de um alimento até sua utilização como combustível.

No Brasil, a formação em metabologia acontece concomitantemente à formação em endocrinologia. Por isso, é muito raro encontrar um médico que seja puramente metabologista.

Endocrinologia

Endocrinologia é a área da medicina que se dedica a estudar o sistema endócrino, isto é, o conjunto das glândulas endócrinas e as substâncias que elas produzem e lançam na corrente sanguínea, que são conhecidas como hormônios.

endocrinologia

Depois de serem liberados pelas glândulas, os hormônios percorrem todo o organismo pelo sangue até chegar ao seu local de ação, que pode ser o cérebro, a pele, os vasos sanguíneos, as mamas, o sistema reprodutor, outras glândulas etc.

Conheça nossas principais glândulas endócrinas, os hormônios que cada uma delas produz e as funções deles no organismo: 

  • Hipotálamo: localizado no cérebro, atua junto com a hipófise para regular a secreção de hormônios das outras glândulas. O hipotálamo controla funções como temperatura corporal, apetite, sede, libido, humor e sono; 
  • Hipófise: a parte posterior da glândula (neuro-hipófise) libera hormônios produzidos pelo hipotálamo, como a ocitocina (hormônio do amor) e o hormônio antidiurético. A parte anterior (adeno-hipófise) é estimulada pelo hipotálamo e produz hormônios como prolactina (estimula a produção de leite nas mamas); FSH e LH (regulam o sistema reprodutor); TSH (controla a tireoide); e GH (hormônio do crescimento); 
  • Tireoide: tem formato de borboleta e se localiza na parte anterior do pescoço. A tireoide produz os hormônios T3 e T4 (controlam o metabolismo, os batimentos cardíacos e o peso) e a calcitonina (regula os níveis de cálcio e fósforo no sangue);
  • Paratireoides: localizadas atrás da tireoide, também atuam no controle dos níveis de cálcio e fósforo no sangue por meio do hormônio PTH;
  • Pâncreas: a porção endócrina do pâncreas produz glucagon e insulina, dois hormônios que atuam no controle das taxas de glicose no sangue;
  • Suprarrenais ou adrenais: localizadas acima dos rins, as suprarrenais influenciam a pressão arterial devido à produção de aldosterona (hormônio que reabsorve sódio e elimina potássio) e regulam o metabolismo de açúcares, gorduras e proteínas por meio do hormônio cortisol, que também atua nas alergias e inflamações. Além disso, o cortisol é conhecido como hormônio do estresse por estimular a produção da adrenalina;
  • Ovários: presente nas mulheres, os ovários produzem os hormônios sexuais estrogênio e progesterona, que determinam as características sexuais femininas e regulam o ciclo menstrual, permitindo a gestação; 
  • Testículos: produzem a testosterona, o principal hormônio sexual masculino, responsável pelas características sexuais, fertilidade dos homens e aumento dos pelos faciais e corporais.

O que faz o endocrinologista

Para se tornar endocrinologista, é necessário concluir a graduação em medicina e se especializar em endocrinologia e metabologia – que, como vimos anteriormente, são duas áreas que caminham juntas no Brasil. 

endocrinologista

Depois de concluir essa formação, o profissional pode se focar ainda mais em uma dessas especializações e direcionar sua carreira mais para a endocrinologia ou mais para a metabologia.

Embora seja mais lembrado por atuar no controle da obesidade, o endocrinologista atua na prevenção, no diagnóstico e no tratamento de muitas outras doenças, como diabetes, distúrbios da menstruação, hipotireoidismo, hipertireoidismo, menopausa, andropausa (“menopausa masculina”), osteoporose, disfunções do crescimento ou da puberdade etc.

Gastroenterologia

Gastroenterologia é a especialidade da medicina que estuda o funcionamento dos órgãos do sistema gastrointestinal, incluindo boca, esôfago, estômago, vesícula biliar, pâncreas, fígado, intestino delgado e intestino grosso.

gastroenterologia

Assim, a gastroenterologia atua na prevenção, no diagnóstico e no tratamento de doenças relacionadas ao sistema gastrointestinal, por exemplo:

  • Gastrite;
  • Úlcera;
  • Infecções intestinais;
  • Intolerância à lactose;
  • Hérnia de hiato;
  • Cirrose;
  • Hepatite;
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Pedra na vesícula;
  • Hemorroidas;
  • Doença de Crohn;
  • Retocolite ulcerativa;
  • Síndrome do intestino irritável.

Podemos dizer que a gastroenterologia se aproxima da endocrinologia ao se ocupar de glândulas como o pâncreas, por exemplo. 

Contudo, essas duas áreas se diferenciam porque, enquanto a endocrinologia se encarrega dos hormônios produzidos por esse órgão, a gastroenterologia lida com a porção que produz o suco pancreático, necessário para a digestão.

O que faz o gastroenterologista

O médico gastroenterologista é o profissional que se formou em medicina e se especializou em gastroenterologia. Ele está apto a avaliar os sintomas descritos pelo paciente que apresenta queixas em relação ao sistema gastrointestinal, estabelecer o diagnóstico e propor o melhor tratamento.

gastroenterologista

Entre os motivos mais comuns para uma pessoa procurar o gastroenterologista, estão sintomas como:

  • Azia ou queimação; 
  • Dor de estômago;
  • Sensação de estômago cheio ou que sempre comeu demais;
  • Dificuldade de digestão;
  • Dores, cólicas ou inchaço abdominal;
  • Náuseas e vômitos;
  • Diarreia;
  • Prisão de ventre;
  • Fezes com sangue.

Dependendo do relato do paciente, o gastroenterologista pode solicitar exames complementares para confirmar ou refutar um diagnóstico, incluindo exames laboratoriais (hemograma, glicemia, colesterol, função hepática, função renal etc.) e exames endoscópicos, como a famosa endoscopia digestiva alta.

Agora que você sabe qual é a diferença entre metabologia, endocrinologia e gastroenterologia, fica mais fácil saber quando procurar cada médico. Acesse o nosso site ou o aplicativo do MEDPREV para agendar sua consulta por preços populares.

 

Fonte(s): Tua Saúde, Minuto Saudável [1] e [2],  Toda Matéria, Info Escola

posts relacionados
Caxumba: causas, sintomas, diagnóstico e como prevenir
Leia mais...