BLOG MEDPREV

É verdade que doadores de sangue não podem tomar a vacina da febre amarela?

É verdade que doadores de sangue não podem tomar a vacina da febre amarela? Não é bem assim! Descubra como você pode se vacinar e continuar ajudando quem precisa.

Doar sangue é um ato que salva vidas e não prejudica em nada quem o pratica. Mas você já ouviu falar que quem doa tem algumas restrições? Pois é! Hoje nós vamos falar sobre uma delas e descobrir por que doadores de sangue não podem tomar a vacina da febre amarela.

Desde já, podemos adiantar que isso não acontece porque a vacina poderia causar algum mal ao doador, mas sim porque a pessoa que vai receber o sangue pode estar com suas defesas comprometidas. Por isso, você não precisa ter medo da vacinação, ok?

Como funciona a vacina da febre amarela

A vacina da febre amarela é feita com o vírus atenuado, ou seja, ele está vivo mas enfraquecido, sendo absolutamente inofensivo para pessoas saudáveis. Dessa forma, ele não é capaz de provocar uma infecção, apenas estimula nossas células de defesa a produzir anticorpos contra a doença.

Ou seja, os vírus enfraquecidos funcionam como uma espécie de “treino” para que nosso sistema imunológico aprenda como combatê-los. Assim, se uma pessoa vacinada for picada por um mosquito infectado no futuro, suas defesas já estarão prontas para derrotar o vírus e impedir que ela fique doente.

Pessoas com o sistema imunológico comprometido não podem tomar a vacina

A vacina da febre amarela é muito segura e tem raríssimos casos de efeitos adversos graves, conforme explica o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA. No entanto, existem alguns grupos que não podem ser vacinados, como pessoas que são alérgicas ao ovo, gestantes, mulheres que estão amamentando bebês menores de 6 meses, crianças com menos de 9 meses e adultos com mais de 60 anos.

Outro grupo que não pode receber a vacina são os pacientes que apresentam algum comprometimento do sistema imunológico, como pessoas que têm câncer, estão em tratamento com quimioterapia ou corticoides, fizeram algum transplante, foram infectadas pelo HIV, apresentam diabetes não controlada ou têm alguma doença autoimune.

Em todos esses casos, as condições da pessoa fazem com que suas defesas tenham alguma deficiência e apresentem dificuldades para lidar com o vírus mesmo em sua forma atenuada, de forma que ele pode acabar se multiplicando.

Assim, em vez de a vacina da febre amarela funcionar como “treino” e estimular a produção de anticorpos, como aconteceria em uma pessoa saudável, para os pacientes imunocomprometidos ela pode acabar despertando um quadro parecido com o da doença, com sintomas como febre, calafrios, náuseas, vômitos, dor de cabeça e sangramentos.

E por que doadores de sangue não podem tomar a vacina da febre amarela?

Na verdade, não é que eles não possam tomar a vacina, mas é preciso ter alguns cuidados para evitar prejuízos para quem vai receber o sangue.

Quando tomamos a vacina, os vírus atenuados ficam circulando pela nossa corrente sanguínea por cerca de três semanas, período necessário até que nosso sistema imunológico produza os anticorpos para combatê-los.

Dessa forma, se fizermos uma doação de sangue dentro dessa janela, os vírus podem acabar sendo passados para quem precisa da transfusão. E, como você deve estar imaginando, isso representa uma ameaça, pois os pacientes que recebem o sangue já têm algum comprometimento grave em seu estado clínico.

Em geral, as transfusões são feitas para pessoas com doenças relacionadas ao sangue (como anemia profunda e hemofilia), que acabaram de passar por uma cirurgia de grande porte (como transplante de medula e outros órgãos) ou que sofreram um grande trauma (como acidentes e queimaduras de 3º grau).

Assim, embora tanto a vacina da febre amarela quanto a transfusão em si sejam procedimentos seguros, o sistema imunológico do receptor pode não conseguir lidar com os vírus que antes circulavam na corrente sanguínea do doador sem causar problemas. Desse modo, os vírus, mesmo atenuados, podem se multiplicar.

Como resultado, as pessoas que já estavam comprometidas podem ter seu estado piorado ao desenvolver sintomas da febre amarela. Ou seja, embora a vacina não represente nenhum risco aos doadores de sangue, ela pode agravar o quadro de quem recebe a transfusão.

Quem doa sangue nunca mais vai poder tomar a vacina da febre amarela?

Nada disso! Os doadores de sangue podem sim tomar a vacina, assim como quem tomou a vacina vai poder doar sangue – basta seguir as orientações para preservar a saúde do receptor.

Se você já tomou a vacina da febre amarela, você pode voltar a doar sangue 30 dias depois da vacinação, tempo suficiente para que seu sistema imunológico produza os anticorpos e combata todos os vírus que estavam circulando em seu corpo. Assim, o sangue doado não vai oferecer riscos para o receptor, pois não terá mais o agente infeccioso.

Por outro lado, se você pretende doar sangue e ainda não tomou a vacina, a dica é que você se dirija ao hemocentro antes de fazer a imunização. Essa medida é especialmente importante antes de feriados prolongados e períodos de férias, pois, ao mesmo tempo em que os acidentes e a necessidade de transfusões aumentam, o estoque dos bancos de sangue esvaziam porque muitos doadores também viajam.

Agora, se alguém te perguntar por que doadores de sangue não podem tomar a vacina da febre amarela, você já pode responder que, na verdade, eles podem sim, desde que no tempo certo. Dessa forma, os doadores não deixam de se proteger e ainda continuam colaborando com quem precisa de uma transfusão. Uma excelente notícia, não é mesmo?

Fonte(s): G1, R7 Saúde e Correio do Estado

Tags: como doar sangue, quem pode doar sangue, vacina da febre amarela, medprev, hospital, clínicas, agendamento, saúde, febre amarela

Voltar para   BLOG MEDPREV

posts relacionados
Vacina faz bem ou mal à saúde? 7 mitos e verdades sobre vacinação
Leia mais...