Início Blog Medprev Mitos e verdades sobre as frases que toda mãe fala

Curiosidades

Mitos e verdades sobre as frases que toda mãe fala

mitos-e-verdades-sobre-as-frases-que-toda-mae-fala.jpeg

Você já ouviu falar que “mãe é tudo igual, só muda de endereço”? De fato, parece que toda mãe segue a mesma cartilha quando o assunto é proteger e educar seus filhos. E isso é tão verdadeiro que, às vezes, temos a impressão de que elas já vêm “programadas de fábrica” para repetir algumas frases!

Sabemos que a intenção delas é sempre a melhor possível, mas vamos contar um segredinho para você: nem todas as falas clássicas de mãe correspondem à realidade!

Ficou surpreso? Então confira nossa lista com frases que toda mãe fala e descubra o que é mito ou verdade – só não vale usar seus novos conhecimentos para teimar com a sua mãe, ok?

1. Toda mãe fala: “Vai botar um chinelo, senão você vai pegar um resfriado!”

Depende. As mães que nos desculpem, mas andar descalço não é um fator determinante para você pegar uma gripe ou resfriado. Para que essas doenças se instalem, é preciso entrar em contato com os vírus causadores, que são transmitidas de pessoa para pessoa, pelo ar ou por objetos contaminados.

Porém, temos que dar algum crédito às nossas mães, pois “pegar friagem” por andar descalço pode facilitar o desenvolvimento de algumas doenças respiratórias. Nas estações mais frias do ano, a queda da temperatura costuma ser acompanhada por uma redução da umidade do ar, o que deixa as mucosas do nariz e da garganta mais ressecadas e suscetíveis à invasão dos microrganismos, inclusive os vírus da gripe e do resfriado.

Além disso, mudanças bruscas de temperatura (como sair do banho quentinho e pisar no chão gelado) podem despertar uma crise de rinite alérgica em pessoas que apresentam essa condição.

Mesmo que a rinite não ocorra devido à presença de um vírus ou bactéria, é importante saber que crises frequentes fazem com que o nariz esteja constantemente cheio de secreção, criando um ambiente mais favorável para a proliferação de microrganismos causadores de doenças.

Por isso, além de obedecer à sua mãe quando ela mandar você colocar o chinelo, vale a pena buscar a orientação de um alergologista para receber o tratamento correto para essa condição.

2. Toda mãe fala: “Não se esquece de levar um casaco para não ficar doente!”

Mesma coisa que andar descalço: sem a presença de um microrganismo, não vamos pegar gripe ou resfriado, mas a “friagem” pode nos deixar mais suscetíveis a ficar doentes devido ao ressecamento das mucosas.

Além disso, ficar passando frio faz com que os vasos se contraiam, direcionando o fluxo sanguíneo das extremidades para os órgãos internos para mantê-los aquecidos. Isso é necessário porque nosso corpo só funciona corretamente se estiver dentro de uma faixa de temperatura estreita, que vai de 36,6 a 37,1 graus Célsius.

Em consequência, ocorre um prejuízo na circulação, dificultando a chegada das células de defesa caso haja a invasão por algum microrganismo. Como as mucosas já estão ressecadas e nossos “soldadinhos” demoram a chegar, é mais fácil pegar uma gripe, um resfriado ou uma infecção de garganta.

Portanto, vale a pena dar ouvidos à sua mãe e pegar um casaco antes de sair, assim você não será surpreendido por uma virada do tempo ou um ar-condicionado muito forte.

Caso você seja um filho desobediente e realmente fique doente, não deixe de consultar o clínico geral, o otorrinolaringologista ou o infectologista se você tiver dores intensas, febre alta há mais de sete dias ou falta de ar.

3. Toda mãe fala: “Desgruda dessa televisão para não estragar a vista!”

Vamos dar uma colher de chá aos filhos e dizer que é mito, pois ficar muito perto da TV não causa nenhuma doença como miopia, hipermetropia ou astigmatismo. Porém – não mostre esta parte do texto para a sua mãe! –, esse hábito realmente pode causar desconforto, principalmente em quem já apresenta algum problema de visão.

O fato é que ficar grudado na TV requer um maior esforço para acomodar a vista, o que pode causar sintomas temporários como dor nos olhos, visão embaçada ou olho tremendo. Por isso, o ideal é manter uma distância de 3 a 5 metros da tela e, caso necessário, sempre utilizar seus óculos ou lentes.

Se você perceber que as dificuldades de visão não desapareceram mesmo adotando esses cuidados, recomenda-se visitar o oftalmologista.

4. Toda mãe fala: “Isso não é um quarto, é um chiqueiro!”

Mito. Quer dizer, a gente pelo menos acha que seu quarto é realmente um quarto e não um chiqueiro, mas, se sua mãe está pedindo para você limpá-lo, é melhor atendê-la – ou você pode acabar doente!

Caso você tenha o costume de se alimentar no quarto, por exemplo, saiba que mesmo alguns poucos farelos podem atrair formigas, moscas e baratas – e cada um desses insetos carrega milhões de bactérias e fungos causadores de problemas como diarreia, vômito, infecção urinária e infecção alimentar.

Além disso, um quarto cheio de objetos empoeirados pode provocar crises de rinite e asma alérgica, com sintomas como tosse, espirros, coriza, coceira no nariz, na garganta e nos olhos e falta de ar.

Contudo, se sua mãe mandar você arrumar a cama logo depois de acordar, saiba que você tem um bom motivo para não fazer isso. Ao colocar lençóis, cobertores e colchas sobre o colchão assim que sair da cama, você cria um ambiente quentinho e úmido, ou seja, perfeito para a proliferação de ácaros e fungos.

Por isso, faça um trato com a sua mãe: você vai manter seu quarto limpo e arrumado, mas a cama vai ficar para depois, ok?

5. Toda mãe fala: “Tá chorando por quê? Pode engolir esse choro agora, senão vou te dar um motivo para chorar já, já!”

Não podemos dizer se sua mãe realmente vai te dar um motivo para chorar, mas, se você não conseguir segurar as lágrimas, saiba que elas fazem muito bem!

E antes que você diga que “chorar lubrifica os olhos”, já vamos alertar que o benefício não é esse. As lágrimas que derramamos para expressar sentimentos têm uma composição diferente daquelas produzidas fisiologicamente, de forma que elas não oferecem nenhuma vantagem para a superfície ocular.

Porém, chorar é uma excelente forma de aliviar a tensão e a ansiedade. Depois de uma crise de choro, a frequência cardíaca volta ao normal, a respiração se acalma e os músculos relaxam – pode até bater um soninho!

6. Toda mãe fala: “Abaixa esse volume ou você vai ficar surdo!”

Verdade. Sua mãe não fala isso apenas porque “as músicas de hoje em dia não prestam”, mas sim porque os hábitos diários de boa parte da população mais jovem podem fazer com que 1,1 bilhão de pessoas sofram alguma perda auditiva, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Conforme um relatório publicado pela organização, 50% das pessoas de 12 a 35 anos pode ter sua audição prejudicada pelo uso excessivo de fones de ouvido, enquanto 40% delas correm riscos em função do barulho em bares e baladas.

O limite considerado seguro para a exposição contínua é de 80 dB. Porém, o som produzido por fones de ouvido pode passar de 105 dB, o que significa que utilizar um dispositivo no volume máximo por mais de 4 minutos já é suficiente para danificar os cílios da cóclea, parte interna do ouvido que transforma as ondas sonoras em impulsos elétricos.

Quando o volume está alto demais, esses cílios são destruídos definitivamente, causando uma perda auditiva permanente. Por isso, se você estiver com algum zumbido ou dificuldades de audição, não deixe de consultar o otorrinolaringologista – e, mais do que nunca, dê ouvidos à sua mãe!

7. Toda mãe fala: “É o tempo todo nesse celular! Você vai acabar ficando doente!”

Sabe aquela história de que mãe sempre sabe? Pois é, ela tem razão novamente. É verdade: o uso excessivo de celulares e computadores está relacionado a vários problemas de saúde. Conheça os principais:

  • Dificuldades de visão: assim como acontece com a TV, ficar grudado na tela desses dispositivos também pode deixar os olhos ardendo e a vista embaçada, como se fosse uma falsa miopia. Porém, com o tempo, o esforço excessivo para que a musculatura ocular se acomode pode levar a uma miopia de verdade;
  • “Síndrome de WhatsAppinite”: embora o nome da síndrome faça referência apenas ao WhatsApp, o fato é que o uso excessivo do celular em geral, e não apenas do app de mensagens, pode dar origem a vários tipos de dores nas mãos e pulsos, incluindo problemas como tendinite e artrite;
  • Problemas posturais: ao passar muito tempo com o pescoço projetado para frente e para baixo, sua coluna pode ter que suportar uma carga de até 27 kg, quando o normal são apenas 6 kg. Em consequência, surgem problemas como dores no pescoço, nos ombros, nas costas e nos braços, além do prejuízo para a postura;
  • Insônia: a luz emitida pela tela dos celulares inibe a produção de melatonina, o hormônio responsável por nos fazer dormir e manter a qualidade do sono durante a noite. Ao usar o celular na cama ou perto da hora de se deitar, essa luz impede que seu cérebro relaxe e descanse, fazendo com que você tenha dificuldades de concentração e memória no dia seguinte;
  • Problemas emocionais: o uso excessivo celular, principalmente para acessar as redes sociais, pode caracterizar uma dependência. Isso acontece porque, a cada notificação ou resposta rápida, nossos neurônios liberam dopamina, uma substância ligada à sensação de prazer. Porém, com o tempo, o cérebro precisa de doses cada vez mais altas de dopamina para voltar a esse estado, levando à compulsão e a problemas como isolamento social, impulsividade, déficit de atenção, ansiedade e depressão.

Todos esses problemas necessitam de atenção médica de um especialista, seja o oftalmologista ou o ortopedista. Caso você não consiga atender ao pedido da sua mãe para deixar o celular um pouco de lado, também pode ser necessário consultar o psiquiatra e o psicólogo, pois a dependência pode e deve ser tratada.


Nossa intenção com esta lista de mitos e verdades sobre frases que toda mãe fala foi fazer uma homenagem bem-humorada àquelas que não medem esforços para nos ver felizes e cheios de saúde.

Apesar das nossas brincadeiras e de certos exageros das nossas mães, o fato é que os conselhos que elas dão a seus “pequenos” – mesmo quando eles já têm seus próprios filhos – costumam ter um fundo de verdade. Por isso, vale a pena dar ouvidos a ela!

Aproveite este Dia das Mães para agradecer por toda a dedicação e retribuir um pouquinho por tudo o que ela fez para você se tornar quem você é hoje.

E, claro, se você precisar, saiba que o MEDPREV está sempre a postos para ajudar você a agendar sua consulta ou exame. Depois, é só pedir para a mamãe preparar aquela sopinha que só ela sabe fazer e logo, logo você estará novinho em folha. Feliz Dia das Mães!

Fonte(s): UOLDrauzio VarellaG1 [1][2][3]Super InteressanteBBCRevista Claudia e Correio Braziliense

24/02/2022   •   há 4 meses

Agende sua consulta ou exame por valores reduzidos

Agendar online Buscar unidade física

Fique por dentro das campanhas e cupons da Medprev

Declaro que li e aceito os e a

Relacionados

O período fértil é antes ou depois da menstruação?

Doação de leite materno: como funciona o banco de leite?

Transformações que ocorrem no corpo da mãe após o parto e durante a amamentação

Mito ou verdade: é necessário tomar remédio contra vermes todos os anos?

Teste de gravidez é confiável? Saiba se os testes vendidos em farmácias são eficientes

Ver mais

Outras matérias

Ver mais

Especialidades