BLOG MEDPREV

Como é a cirurgia de reconstrução da mama?

Saiba como é a cirurgia de reconstrução de mama e conheça mais sobre suas indicações, cuidados e o que esperar dos resultados desse procedimento.

Você já se perguntou como é a cirurgia de reconstrução de mama? Remover um seio em função de um câncer é uma medida que pode salvar vidas, mas também é uma situação muito traumática para qualquer mulher. Felizmente, existem formas de amenizar essa condição.

As mamas são um símbolo muito forte da feminilidade, pois estão relacionados com a transformação da menina em mulher, a sexualidade e a amamentação. Dessa forma, quando são submetidas à mastectomia – a remoção cirúrgica dos seios –, a mulher sofre grandes prejuízos estéticos, psicológicos e emocionais.

Embora seja uma medida recomendada e necessária em diversos casos de câncer de mama, a reconstrução mamária vai permitir a recuperação não apenas do formato dos seios, mas também da autoestima e da qualidade de vida de grande parte das mulheres mastectomizadas.

Quando fazer a cirurgia de reconstrução de mama

A reconstrução da mama pode ser feita imediatamente após a mastectomia, unindo técnicas da cirurgia plástica com técnicas da cirurgia oncológica, mas essa é uma decisão que só poderá ser tomada pelo médico especialista.

Existem algumas situações em que a reconstrução imediata não é indicada, como casos em que o câncer está muito avançado ou quando será necessário fazer radioterapia (pois a radiação eleva o risco de complicações na prótese de silicone). Dependendo da evolução do quadro, a reconstrução mamária poderá ser uma opção para o futuro.

Além disso, algumas mulheres não se sentem confortáveis para pensar na reconstrução tão logo recebem o diagnóstico do câncer de mama ou a notícia de que será necessário fazer uma mastectomia. Nesses casos, a cirurgia poderá ser feita posteriormente, quando a paciente estiver mais preparada para esse novo procedimento.

Ainda, há mulheres que não querem passar por novas cirurgias, e esta também é uma decisão possível. Para essas pacientes, se desejado, existe a possibilidade de usar próteses externas que simulam o formato da mama.

Como é a cirurgia de reconstrução de mama

A escolha da técnica cirúrgica depende das condições de cada paciente e deve levar em consideração fatores como a quantidade de tecido removido, o tamanho original das mamas, a disponibilidade de tecido adiposo no abdômen e as preferências da mulher.

Quando a mastectomia removeu apenas uma parte pequena da mama e não houve muita perda de tecido, pode ser suficiente fazer uma cirurgia plástica nos dos dois seios para deixá-los simétricos, com o mesmo tamanho e formato.

Porém, quando o tumor é maior ou houve necessidade de remover toda a mama, a reconstrução provavelmente incluirá a inserção de uma prótese de silicone e poderá ser feita em mais de uma etapa até que se atinja um resultado satisfatório.

Quando a mastectomia permitiu a preservação de boa parte da pele e ela apresentar elasticidade suficiente, a colocação do silicone pode ser imediata, pois haverá espaço e tecido suficientes para abrigar e cobrir a prótese.

Contudo, se houve uma retirada maior de pele, de modo que não seria possível acomodar a prótese, será necessário o uso de um expansor. Esse recurso consiste em uma espécie de balão de silicone que é preenchido gradualmente com soro fisiológico através de uma válvula. Dessa forma, depois de um intervalo de cerca de 60 dias, a pele terá se distendido o suficiente para acomodar a prótese de silicone propriamente dita.

Ainda, nos casos em que houve uma grande perda de pele, músculo e gordura em função do tamanho ou da gravidade do tumor, a reconstrução mamária pode exigir que a prótese de silicone seja associada com o enxerto de tecidos retirados de outras partes do corpo, como o abdômen ou o dorso. Essa técnica é mais complexa e deixa cicatrizes maiores do que as demais, mas ainda assim oferece resultados muito bons.

Nas situações em que não for possível preservar a aréola e o mamilo na mastectomia, essas partes podem ser reconstruídas posteriormente, em uma próxima intervenção. Para isso, podem ser feitos enxertos de pele retirada da coxa ou da vulva e tatuagens para simular a coloração e o formato da aréola.

Independentemente da técnica a ser utilizada para refazer a mama, em primeiro lugar sempre deve estar a escolha pelo tratamento que ofereça mais segurança para a paciente, mesmo que ele torne a cirurgia de reconstrução mais complexa.

Como é o pós-operatório da cirurgia de reconstrução de mama

Os cuidados na recuperação dessa cirurgia dependem das técnicas utilizadas. Porém, em geral é preciso utilizar medicamentos como analgésicos e anti-inflamatórios para aliviar possíveis dores e antibióticos para combater qualquer tipo de infecção.

É normal que a região fique inchada e arroxeada nas primeiras semanas, até que haja a acomodação dos tecidos em suas novas posições e a reabsorção dos líquidos e do sangue extravasado.

Para não agravar esses desconfortos, causar o rompimento dos pontos ou prejudicar a cicatrização, é necessário fazer repouso, não realizar esforço físico e evitar levantar os braços acima da linha dos ombros por até 60 dias ou conforme a recomendação médica.

Além disso, será necessário o uso do sutiã pós-cirúrgico e de curativos feitos com micropore, que contribuem com a cicatrização. O acompanhamento médico costuma ser feito com consultas semanais.

Como fica a mama reconstruída? Essa cirurgia aumenta o risco de outro câncer?

Embora os resultados estéticos possam ser muito bons, é preciso ter em mente que a mama reconstruída não será exatamente igual à mama natural que foi removida.

Além das diferenças na textura e na consistência, haverá cicatrizes visíveis (que ficam mais discretas com o tempo) e uma perda da sensibilidade. Ainda assim, a reconstrução costuma trazer muitos benefícios estéticos e emocionais para a mulher.

É importante esclarecer que as próteses de silicone não aumentam os riscos de recidiva do câncer de mama nem escondem alterações suspeitas de malignidade quando submetidas à mamografia. Ainda, caso o tumor retorne, a cirurgia não impedirá o tratamento.

Caso você ainda tenha dúvidas sobre como é a cirurgia de reconstrução de mama e o que esperar desse procedimento, não hesite em esclarecê-las com o médico que está acompanhando o seu tratamento.

Fonte(s): Onco GuiaHospital Sírio LibanêsDicas de Mulher e Clínica Parente

posts relacionados
Doação de leite materno: como funciona o banco de leite?
Leia mais...
Transformações que ocorrem no corpo da mãe após o parto e durante a amamentação
Leia mais...